Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 17 de março de 2016

Haiku - Cassio Carvalheiro


Hokusai - Trovoada Abaixo do Cume



Não tiro da mesa 
As migalhas de pão
Resta a formiga.


Pra lá e pra cá
Gente apressada
Mas o ipê em flor não desiste.


Mosca corajosa
Nem mão nem pano
Afastam-na do bolo.


Viagem ao campo
Dormir até tarde...
Mas a cigarra é pontual.


Maldoso mosquito
Se aproveita de mim
Enquanto medito.


Na despensa, nada
Viemos em vão
Eu e a barata.


Aqui e ali
Fissuras no asfalto:
O verde da grama.


Depois da chuva
Na poça d'água
Formigas afogadas. 


Como sou amado!
Mal saio de casa
Já me espera a lua.


Galho seco
Torna-se espada
Mão de menino.


Intolerável calor:
Parece quente
A luz da lua.


A casa da aranha
Corre perigo:
Dia de faxina.


Dia de varão:
Pipa e menino
Aguardam o vento.




Share


Rafael F. Carvalho
Autor do livro A Estante Deslocada, é paulistano, nascido em 27 de Fevereiro de 1978. Foi publicado em antologias de novos escritores e em jornais universitários, e é formado em Letras pela Universidade de São Paulo.


todo dia 17


1 comentários:

Conheço cada um...
Obrigado pela postagem Rafael...
As lágrimas me vieram aos olhos.
Parabéns Cássio,Haiku maravilhoso!!!
Bianca Ravagnani

Postar um comentário