Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

terça-feira, 16 de junho de 2015

Cul-de-sac


Dói. O amor que nunca chega, nunca basta, nunca fica. Dói. O pé inchado pelas pedras ásperas de cada busca estéril. E a cabeça cheia da aguardente de substituir afetos. E o sexo sem reflexo, urgente, mínimo. Dói. A madrugada dividida com outras esfinges; a insônia cortejada pela solidão. Dói. A boca sem sabor de outras; o corpo deslembrado de roçares, de mordidas, de sugadas. Dói. O rosto morto e insepulto confiscado pelo espelho canalha que mora no quarto de dormir. O riso congelado por adestramento. Dói a navalha cega do banheiro; dói o comprimido que faz o choro dormir; dói o silêncio no fundo do copo; dói a cova sem valia que é o peito. Dói ser. E isso é o que mais impressiona. Porque o não ser também dói.



Share


Cinthia Kriemler
Formada em Comunicação Social/Relações Públicas pela Universidade de Brasília. Especialista em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social. Começou a escrever em 2007 (para o público), na oficina Desafio dos Escritores, de Marco Antunes. Autora do livro de contos “Para enfim me deitar na minha alma”, projeto aprovado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal — FAC, e do livro de crônicas “Do todo que me cerca”. Participa de duas coletâneas de poesia e de uma de contos. Membro do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e da Rede de Escritoras Brasileiras — REBRA. Carioca. Mora em Brasília há mais de 40 anos. Uma filha e dois cachorros. Todos muito amados.
todo dia 16


12 comentários:

Curto e grosso, recado soberbo da dor da solidao. Gostei, mas gostei demais, Cinthia. Fantàstico!!!
Cecilia

Mais um texto arrebatador dessa poeta/escritora que não se cansa de nos encantar. Parabéns, Cinthia!

Este comentário foi removido pelo autor.

Um tsunami passou por aqui!!! Arrasou!!!

Intensidade. E metáforas que são concisões semânticas. Curto e afiado como um espinho.

Céus! Que espetáculo de texto! A gente não sai do mesmo jeito que chega.

Obrigada, Edelson! Muita honra!

Obrigada, Joaquim! Sua opinião é sempre muito importante pra mim!

"Dói ser. E isso é o que mais impressiona. Porque o não ser também dói."

Muito bom! Parabéns!

lindo demais, intenso, preciso..!

Postar um comentário