Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Depoimento de uma mulher que apanha


De tudo o que nos incrimina, o que nos condena é a mudez.
(cinthia kriemler)

Eu fico olhando ele dormir toda noite. Ele não faz um ruído, sabia? É uma coisa assustadora. Não ronca, não respira alto. Parece alguém em coma; um semimorto. Como é possível? Isso não é justo. Não está certo ele dormir assim enquanto eu passo a noite cuidando do meu corpo cheio de dor. Cada tapa, cada soco, cada pontapé me deixa toda marcada, está vendo? A minha pele está toda roxa. Tem uns lugares em que os hematomas nem saem mais. Está vendo a minha coxa? É o lugar que ele mais chuta. Acho que é porque essa parte do corpo está sempre coberta e ninguém vê as marcas. Eu nunca mais vesti um short. Nunca mais fui à praia, acredita? Mas as coxas não me preocupam. Na hora em que ele começa a bater eu só me lembro de usar as mãos e os braços para proteger a cabeça. Faço uma espécie de redoma, de escudo. Assim, está vendo? Mas tem hora que ele me pega desprevenida. Eu morro de medo que ele machuque os meus olhos. Ou a minha cabeça. Fico imaginando como seria ficar em cima de uma cama. Dependendo dos outros; dependendo dele. Imagina o que mais ele faria comigo. 
Eu ainda choro. Por que será que eu ainda choro? Não é mais choro de revolta nem de medo, sabe? É uma coisa boa. Que me dá alívio. Andei pensando sobre isso. Eu acho que eu choro porque talvez seja a única coisa em mim que ele não pode tocar: as lágrimas. Ele não pode puxar, apertar, sacudir, espancar as minhas lágrimas. Como faz com o meu corpo. Também não pode manipular, nem controlar, nem abusar delas. Como faz com a minha cabeça. Com a minha vida.
Não, isso não é vida. Eu sei. Eu já estive aqui antes. Já conversei com a psicóloga. Foi bom. Ela me fez pensar. E eu já tinha parado de pensar fazia um tempo. Mas pensar não adianta muito, sabe? A gente se sente pra baixo de novo. Pensando em tudo o que não consegue fazer. E sofre outra vez.
Eu nem sei por que é que eu apanho tanto. Só sei que a coisa vem, e quando vem nunca é pouca. Primeiro ele me olha. É um jeito de olhar que fala. Eu não sei explicar direito. Mas é como se ele estivesse sempre me culpando por alguma coisa que eu não fiz. Como se estivesse procurando uma desculpa para me arrebentar toda. Qualquer coisa serve. Qualquer coisa mesmo. O cabelo solto, a saia curta, a calça comprida justa, o riso, a unha grande, o decote, o jeito de pendurar a roupa no varal, a máquina ligada muito cedo, a camisa passada do jeito errado, o banheiro ocupado. 
A psicóloga me disse que ele é um abusador. Que ele faz eu me sentir culpada de propósito. Porque é isso que um abusador faz. É verdade. Toda vez que ele me bate fica repetindo que a culpa é minha, que eu mereço apanhar. Não mereço, não. Já tem tempo que eu sei que não mereço castigo. 
Eu casei muito cedo. E ele não me deixou trabalhar nem estudar. Tinha ciúme até da minha mãe. No começo, eu achei graça. Não vou negar que eu gostei daquela vida de não trabalhar. Só depois de um tempo é que eu percebi que era tudo uma armadilha. Eu não tinha diploma, não tinha emprego, não tinha mais amigos e me afastei da minha família. Eles nunca entenderam o porquê. Nunca aceitaram eu ter parado de falar com eles: minha mãe, meu pai, meus irmãos. A minha irmã mais nova me disse que é benfeito tudo o que me acontece. Porque eu sou burra, covarde, fraca. Eu entendo. Entendo, sim.
Eu não tenho filhos. Não pude ter. Fiquei triste por muito tempo. Porque eu imaginava que se eu tivesse filhos ele não ia mais me bater. Mas depois eu andei lendo sobre uns casos parecidos com o meu e vi a sorte que eu dei. Eu e essas crianças que nunca nasceram. Só que, por causa disso, ele passou a me bater mais ainda. Batia e me xingava. Sua inútil! Sua vaca! Não presta nem pra me dar um filho! 
Foi nessa época que eu pensei em cair fora pela primeira vez. Sem filhos, ele não tinha como me ameaçar. Sem filhos, eu não me importava de não ter estudo nem emprego. E aí eu vim aqui e prestei queixa. Conversei com a psicóloga e ela me disse para eu parar de pensar no que tinha a perder, e começar a pensar em tudo o que eu tinha a ganhar. Foi uma conversa boa. Imaginei tanta coisa. Cheguei a procurar a minha mãe e perguntar se ela me aceitava de volta em casa. Imagina que ridículo! Mulher feita voltando para a casa da mamãe. Mas ela aceitou feliz. Os meus planos é que duraram pouco. Um dia depois ele foi trazido aqui, nesta delegacia, prestou depoimento e foi mandado de volta para casa. Em 2005, ainda não existia a Lei Maria da Penha. Foi aprovada só no ano seguinte. Tarde demais. Na noite em que ele foi liberado pela polícia, me fez uma ameaça. Que se eu viesse aqui de novo ele matava meus pais e meus irmãos. E logo em seguida me deu uma surra tão grande que me quebrou um dente. Esses nove anos foram um inferno.
Mas as coisas mudam. Por isso eu resolvi prestar queixa de novo. Dessa vez, sem volta. Meu pai morreu tem quatro anos. Mas ainda tinha a minha mãe para o desgraçado ameaçar. Agora, ela também morreu. Faz um mês e meio. Antes, eu dei um jeito de ir até o hospital e ficar um pouco com ela. Pedi perdão. Sabe o que ela me disse? Que eu precisava pedir perdão era a mim mesma. Aquilo doeu. E doeu mais ainda quando eu fiquei sabendo que ela deixou a casa para mim de herança. E que os meus irmãos abriram mão da parte deles por mim. Para que eu pudesse ter para onde ir se eu decidisse me separar. Aí eu pensei: é agora ou nunca; não tem mais pai nem mãe pra esse filho da puta ameaçar. Eu conversei com os meus irmãos. Contei tudo para eles. E eles me disseram para não me preocupar que eles se garantem. Acho que a única covarde sou eu mesma.
Hoje, quando eu estava saindo de casa, ele veio atrás de mim. Adivinhou o que eu ia fazer. E me ameaçou, revólver na mão. Eu continuei caminhando, sem me virar. Pensando que o tiro não podia me matar mais do que eu já estou morta. Mas não era para ser. Não, não era para eu terminar em silêncio. 


Share


Cinthia Kriemler
Formada em Comunicação Social/Relações Públicas pela Universidade de Brasília. Especialista em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social. Começou a escrever em 2007 (para o público), na oficina Desafio dos Escritores, de Marco Antunes. Autora do livro de contos “Para enfim me deitar na minha alma”, projeto aprovado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal — FAC, e do livro de crônicas “Do todo que me cerca”. Participa de duas coletâneas de poesia e de uma de contos. Membro do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e da Rede de Escritoras Brasileiras — REBRA. Carioca. Mora em Brasília há mais de 40 anos. Uma filha e dois cachorros. Todos muito amados.
todo dia 16


45 comentários:

Novamente, aqui, trazendo a magia de seus belos textos para denunciar o que, infelizmente, ainda e um tema atual. Parabens, Cinthia!

Bárbaro! Um conto onde, infelizmente, mulheres sofrem com a violência doméstica! É de arrepiar! Parabéns!

Adorei! Você deu voz a milhares de mulheres que passam por isso e ainda são julgadas e incompreendidas. Parabéns, querida, mais uma vez! Bj grande.

Impressionante não só pela descrição brilhante como em todos os seus textos, como porque é exatamente isso que que uma mulher humilhada por um homem sem escrúpulos deve sentir.você descreveu exatamente a dor e o desespero de milhares de mulheres. Parabéns, Cinthia. Texto que vai na alma.

Um texto pra ninguém botar defeito. Um texto que deveria ser publicada no grande mídia. Que câncer maldito esse que não consegue ser extirpado da sociedade.

Obrigada, Cecilia! Beijo.
E um beijo Maria de Fátima!

Obrigada, Maria Silvia, Francine e Vânia Diniz! Beijos

Uma gama de sensações, todas mais do que verdadeiras. Quisera fosse apenas ficção.
Muito bom, Cinthia.

Inquietante, meu coração palpitou. Lindo texto, dura realidade... parabéns

Infelizmente, uma verdade que não se cansa de acontecer. Parabéns!!

Sei que n e facil,vivo com um homem que por qualquer motivo me bate.me ajudem

Passo por tal situação agressão psicológica e física, socos, tapas, puxões de cabelo, enforcadas, cuspidas na cara, ameaça de morte.
Policia não resolve, a pessoa continua solta, te cerca na rua, te bate, as pessoas veem e não fazem nada, só olham.
Ja pensei em matar ele, ja pensei em me matar, não tenho mais vida, não tenho paz de espírito. O tormento nunca acaba.

Anônima: Denuncie e peça abrigo numa Casa Abrigo. Você vai acabar morrendo. Aliás, já está morrendo lentamente. Tente, não desista. Tome cuidado. Torço por você!

Tenho 18 anos e sou casada e hoje apanhei o que mais me DOI é que eu amo ele ele me bateu por que esquecir de fazer um café brigamos sentei e coloquei o pe em cima da poltrona ele deu dois murros em minha perna e me enforcou me acho o pior lixo do mundo DOI tanto chorei tanto lendo sua história espero ter força como você teve pra eu me livrar dessa vida vida não mas um inferno

Maria, espero que você saia dessa situação. 😥

Tem dois dias que decidi acabar com esse sofrimento na minha vida. Foi em pouco tempo mas me estragou completamente. Hoje perdi minha identidade, nem sei quem sou mais. Eu era forte, guerreira, mãezona... Depois que conheci meu ex, minha vida acabou. Engravidei bem no início do namoro, e foi aí que conheci ele de verdade. Fui agredida várias vezes grávida. Ele já me jogou pra fora do carro há uns 15km de distancia e era mais de 23:00hs. Meu celular descarregado, e eu com vergonha de pedir ajuda na rua pra estranhos.... Caminhei chorando, uma tristeza na alma, uma vergonha de mim, e ainda esperando ele voltar pra me buscar, mas ele não voltou...
E mesmo assim, no outro dia eu o perdoei.
E depois vieram mais e mais agressões. E eu perdoei todas... Eu grávida de 6 meses ele me deu um soco na boca, foi quando fiz BO e achei que iria colocar o fim em tudo. Mas o medo de ter o filho sozinha e outras coisas, eu perdoei novamente... E as agressões continuaram até antes de ontem. Onde ele me bateu dentro do carro com meu filho no colo, ameaçou bater o carro no poste caso eu não entregasse o celular (eu estava pedido socorro pra minha mãe) mas eu não entreguei. Liguei pra polícia de dentro do carro e ele só assim me deixou descer... Fui à delegacia mas preciso esperar 30 dias para pedir medida protetiva. E ontem mesmo ele veio aqui com desculpas de buscar roupas... Liguei para a polícia (que não veio) mas ele com medo foi embora.
Agora estou com medo, com vergonha, com dores no corpo e a alma morta.
Desempregada, e com 4 filhos...
A dor é terrível, parece que não vai passar nunca...
É preciso uma força sobrenatural pra suportar isso... Mas eu não quero mais isso pra minha vida.

Cai fora tao novinha e ja sofrendo isso

- Boom eu já tô a 4 anos com a pessoa que eu decidi ficar pra vida toda mas infelizmente não sei se escolhi o cara certo no começo foi tudo muito boom mas depois de 1 ano tudo começo eu lembro como se fosse agora a minha primeira agressão que sofri um tapa na cara bom eu achei que era brincadeira e não levei a sério mas hoje percebo que se eu tivesse sido mas forte e esperta não viveria o inferno que vivo hoje pois eu já passei por pessadelos acordadas que e horrível só de lembra oque vooc nunca apanho de um pai e uma mãe vooc acaba na mão de um homem que te espanca e não quer nem saber se vai te matar elle só quer saber de te machucar e fazer vooc sofrer isso não é Amor Amor não machuca , a partir de hoje sai escondida e registrei um b.o apesar disso quase não valer nada mas e melhor vooc ter algo que comprove que vooc quer distância e ser feliz longe de quem só quer ver seu mal eu desejo a todas que passam passaram por essa situação que não tenha vergonha nem medo pois é isso que eles querem nois deixar sem chão sem rumo pra sempre sermos seus saco de pancada todo mulher tem sua força com caráter e força de querer pois fez uma fazerão sempre pode demorar mas sempre acontece de novo eu falo por experiência propia não se deixe enganar por um simples pedido de desculpas ou perdão quase nunca são verdadeiros levante a cabeça e vamos seguir em frente pois conseguimos basta queremos

Estou péssima. Fui agredida por socos, tapas, empurrões e ao chamar a polícia e ao fazer exame de corpo e delito, o mesmo não foi preso, porque eu o arranhei e ele ficou c marcas ao me defender. Estamos na mesma casa em quartos diferentes e disse que estou louca... que não me agrediu hora nenhuma... que eu o agredi e ele só me segurou. Não sei dizer que personalidade é essa que ele tem. Brigamos antes e decidimos nos separarmos... mas ao pedir para sair do quarto, para deixá-lo para mim... virou essa confusão. A minha alma doi... até estou me perguntando o porque ele não assume o que fez... ela nem diz que não se lembra... só diz que não aconteceu nada. E está alheio ao meu sofrimento... dorme como se nada tivesse acontecido. E ainda diz que dorme porque tem a consciência limpa. Eu não sei como disfarçar tanta dor... só sei chorar... morro de vergonha. Eu achei que era amada!

A você que me repassou o seu relato de violência doméstica, eu quero dizer uma coisa: nenhum homem tem o direito de bater, sob nenhum pretexto, numa mulher; nenhuma mulher "merece" ou tem culpa de apanhar ou de provocar a situação que levou esse homem a bater; ninguém consegue ser feliz "dando um jeito" ou "aprendendo" a viver com um homem desses.
Homens (os de verdade, gentis, companheiros, equilibrados) existem, sim.
MULHERES NASCERAM PARA SER O QUE ELAS QUISEREM. E isso inclui ser feliz.
No seu tempo, com as suas forças, faça o que tem que fazer por si mesma. Sempre é hora de parar de ser um saco de pancadas. Não deixe ninguém diminuir você. Você é linda e importante! Para você mesma em primeiro lugar.
Não acredite nesse homem que diz "foi só dessa vez", ou "a culpa foi sua por eu ter batido em você", ou "você não tem para onde ir". Nada disso é verdade!
Olha, na sua frente, lá fora, a vida acontecendo longe da violência. Cria coragem. É parar sa vida bonita que você merece ir. Vai! Beijos e força!

Fiquei com um cara quatro anos, ele sempre me agrediu, mas não era frequentemente era uma vez e nunca. Nesta última briga que tivemos, saímos na porrada, foram três pessoas para segura-lo meu cunhado mandou eu sair de casa antes que desse merda. Sai sem rumo. Nisso ele levou minhas coisas para a casa da minha mãe e se fez de inocente. Terminamos. Mas ele ainda me manda mensagem dizendo que se arrepende e que me ama e que ele vai mudar, cansei de dar novas oportunidades pra ele e sempre acabar nisso. Dessa vez eu cansei não quero mais, só que ao mesmo tempo o "amor" que sinto, as lembranças boas me assombram e tentam fazer eu mudar de ideia. Estou confusa, e pra terminar descobri que estou grávida dele. Preciso de conselhos 😔

Querida, nao acredite nessas promesas, o homem q é homem jamais agride uma mulher. Seja forte, enfrente toda e qualquer barreira, mas nao volte para essa criatura, eles sao psicopatas! Eles agridem pelo simples fato de se sentirem bem, sao uns psicopatas. Nao deixe que seu filho venha conviver com esse tipo de coisa. Que Deus te mostre o caminho correto e voce seja forte para enfrentas todos os desafios que esta por vir🙏 #Deusteabencoe

Tenho 18 anos fiz a duas semanas eu sou muito nervosa tenho um relacionamento a 3 anos e meio a 2 moramos juntos e sempre foi muito bom ate a dois dias atrás ele foi a festa de serviço me chamou e eu fui somente no almoço não quis ficar pois tinha muito homem voltei para casa deixei ele se divertir quando foi 4hs dá tarde ele chegou bêbado não sei se esyava somente bêbado pois estava irreconhecível falava coisa com coisa até achei que fosse brincadeira pedi que ele tomasse banho num tomar grosso pq como disse sou nervosa tenho gênero forte e ele me empurrou n com força pq estava sem e eu o empurrei de volta e ele caiu no sofá perguntei se ele estava louco ai ele levando e começou a me enforca eu não reagi mais pq vi que ele estava fora de si me assustei e comecei a chorar conseguir soltar a mão dele ai ele começou a jogar tudo p o chão da nossa casa foi horrível ai me tranquei no quarto com minha cachorra e esperei ele se acalmar ele foi tomar banho ficou quase 1hs ai sai do quarto ele saiu do banheiro foi atrás de mum e me chamou para ir dormir com ele ai fingi que não escutei ele dormiu ate 6hs dá noite quando de 6hs achei qhe o efeito da cachaça tinha passado acordei ele para a gente conversar ele voltou a gritar cmg e ai comecou a me chingar dos piores nomes existentes e a me enforcar eu reagi dei muito nele para ele me soltar claro que ele tem mais força eu to toda machucada não tenho ninguém na cjdade apenas os amigos dele que me tem como filha eu implorava a ele para que me levasse lá no quartel para acabar com isso logo ele não deixou eu fazer nenhuma ligação quebrou meu cel comtinuava me insulvando não só a mim e sim toda minha família falava coisa ckm coisa e me ameaçava de morte diversas vezes eu não sabia o que fazer não aguentava mais tomei todos os remédios qhe vi na minha frente e deitei e me tranquei no quarto passou 1 hora não lembro mais de nada lembro de mim no hospital com ele me pedindo perdão e qhe jamais botaria álcool na boca novamente estou em repouso os médicos disseram que eu cheguei delirando agora tenhi vagas lembranças do que aconteceu depois qur eu deitei! Ele pediu para conversar e disse qhe n se lembra de nada agora não sei o que faço

Tenho 28 anos, sou casada há 10 anos. Tenho dois filhos desse casamento e apanho à 9 anos. Antes era uma surra por ano, promessas de mudança e tal, hoje são pelo ao menos umas quatro surras no ano, hematomas e cicatrizes que já permanecem ali. Tentei largar ele, ano passado quando ele me deu um soco na boca e me cortou com uma faca, mais meus familiares não me apoiaram, não me acolheram com meus filhos, a desculpa, foi: "casa muito cheia, mais três bocas pra alimentar, você não trabalha..." Cheguei até a ver minha irmã esconder leite e bolacha dos meus filhos. Então pensei, pior que apanhar é ver meus filhos passar vontade. Voltei pra ele em dezembro 2017, e hoje mais uma vez estou toda roxa e dolorida. Tem dias que minha oração é pra que ele morra antes de me matar. Tudo isso que falei é verdade, tô falando isso aqui por que não tenho ninguém pra conversar, nem família, nem amigos.

Que triste... Procure um abrigo, entre em contato com pessoas pra te mandar para um abrigo em outra cidade, na verdade não é um abrigo, é um lugar onde eles vão te ajudar a arrumar um serviço um lar. Não fique nesse vida... A cada dia vc morre um pouco. Ou compre veneno e vai matando ele aos poucos, jogue água quente nele enquanto dorme, pessoas assim merece sofrer tbm, pq se fosse valente mesmo, enfrentaria um homem na rua.

Eu tambm sofro com o ciumes do meu marido Amiga apesar dele nao me bater sofro com sua ofensa i acusasoes infundada fac tudo que estar ao meu alcance p fazer lo feliz mas nunca e o bastante ele como um morcego eu me sinto sem forc sugada n suporto mais

Agradeço pela confiança dos comentários. Seria muito bom se cada uma de vocês procurasse ajuda. Há Conselhos, Delegacias, Casas de Abrigo, psicólogos. Só não deixem para depois. Depois, pode ser tarde. E não existe isso de “só foi uma vez”. Não pode existir vez nenhuma. Lembrando que a violência contra a mulher é crime. E que nessa violência está incluída a violência verbal, ou seja: o sujeito não bate, mas arrasa com a mulher, ri dela, debocha, humilha, desqualifica, diminui. Isso também é violência. Por favor, se cuidem! Cada pessoa tem sua hora, mas tomem cuidado para que não seja tarde demais. E não, não é amor. Amor não contém violência. Ele não vai mudar. Só vai falar isso para enganar. Beijos a todas as anônimas. Força, luz, persistência.

Eu não aguento mais viver, ele me bate, me enforca, me chuta, ontem furou minha boca com um garfo, eu não tenho mais forças pra viver.

Boa tarde! Eu sou casada a 6 anos, tenho dois filhos, e sofro profundamente com a violência doméstica. Quase sempre ele me chinga, e raramente ele me bate, hoje. Porque tanto eu quanto ele ambos trabalhamos, chegamos tarde. Mas quando não estávamos trabalhando eu apanhava muito, lembro que ele me bateu tanto nas minhas gravidez nas duas que nessa mais recente do meu filho mais novo eu fui apara o hospital perdendo meu pequeno tesouro com 4 meses, chegando lá me deram ultragestam para segurar meu filho. Eu estava inrreconhecida de tanto que apanhei, cheguei desmaiada, e ele quem me levou, quando acordei estava no hospital, lá me perguntaram o que aconteceu e eu como sempre falei que tinha brigado na rua com outra menina, os médicos não acreditavam devido os ematomas serem muito fortes , soco no olho meu olho ficou profundamente preto e fechado! Fazia tempo que não brigávamos. Mas ontem ele chegou do trabalho, e como eu chego primeiro eu peguei meus filhos e estava colocando meu filho mais novo para dormir, ele chegou e acordou meu filho, mais novo de 1 ano e 8 meses. Brincou com ele, meu filho acabou despertando o soninho dele é só queria brincar, mas ele não queria mais brincar, ele queria que meu filho dormisse, então ele passou para o quarto com meu filho no colo e estava bravo, porque eu falei " tá vendo, não precisava chegar e acordar ele, agora vai ter que brincar com ele" ele me deu dois chutes quando eu falei isso, sentei na cozinha e desabei em lágrimas, pois já tenho muitos problemas veio tudo a tona e dasabei, minha mãe encontra se internada numa clínica de recuperação para dependentes de álcool, eu que a internei, com ciência dela claro, pois ela estava com cirrose ! Tudo veio na minha cabeça e comecei a chorar, eu tinha acabado de chegar do serviço 22h da noite, chorei e depois peguei meu filho para colocar em cima da minha barriga para dormir como ele sempre dormi em cima de mim desde bebê ! Aí ele veio querer pega meu filho a força do meu colo, e eu falando que não que iria fazê-lo dormir , com meu filho deitado em minha barriga, ele encheu minha cabeça de soco, eu não conseguia me defender antes de cobrir minha cabeça e meu rosto pensei em abraçar meu filho que chorava em meu colo !
Até que ele puxou meu cabelo é e me arrastou na cama, pelos cabelos, e ele pegou meu filho. Quando eu levantei, ele me bateu mais na cabeça , essa noite passada foi horrível eu comecei a lembra da minha mãe , sempre que vou visitar ela, ela me pergunta se meu marido mudou e eu falo que sim, que ele não me bate mais, ela não acredita e tbm não consegue gostar dele, ela sente !
Hj acordei cedo coloquei meus dois filhos na perua e fui correr fazer caminhada e ele ficou dormindo, qnd cheguei aqui, ele fica com uma cara de que nada tivesse acontecido. Ele ficou preso 3 anos e eu visitava ele em todos os fins de semana, sustentava ele em tudo , ele saiu e ganhou liberdade, e eu arrumei um emprego, aonde a minha patroa conseguiu colocar ele pra trabalhar com ela , na empresa de auxiliar administrativo, ngm sabe ele é esse monstro, eu faço de tudo para que ele mude mas não tem jeito ! Fazia muito tempo que ele não me agredia . Eu jurava que ele estava tentando mudar mas acho que ele já tem esse extinto monstro dentro dele ! Totalmente diferente de quando eu conheci ele ! Essa madrugada quando eu tava chorando comecei a ler seu texto , e como me indentificar, eu nunca denunciei ele, por medo dele ser preso devidas as passagens que ele tem, e aqui na favela me punirem! Esse é o meu medo de denunciar ele ! Só peço a Deus que o castigue , pois eu sou guerreira , trabalho, cuido muito bem dos meus filhos, da minha mãe, sustento a casa, sustento minha mãe na clínica, pago a clínica, ajudo minha irmã que está desempregada, não mereço nada que ele faz cmg !

Não volte. Crie seu filho longe desse monstro. Não pense que estou sendo cruel ao descreve-lo assim, mas é a verdade. Se fez uma vez continuará fazendo é o filho será mais uma vítima.

Tenho 14 anos ja sofri muito na mao do meu padrasto, ele ja me agrediu 4 vezes na primeira vez foi quando minha mae estava gravida da minha irmã mais nova em 2014, ele me deu tanta chinelada no olho q eu achei q ia ficar cega, a segunda e a terceira vez foi mes passado,ele ia sair pra trabalhar ai me pergunto onde a chave do portao estava eu fui buscar e ia abrir o portao pra ele, mais so q ele tomou a chave da minha mao q fez uma bolha de sangue a outra vez foi pq ele trancou a porta da sala e eu queria entrar , ele saiu furioso e veio me agredir, minha mae tava dormindo e acordou com os meus gritos e veio impedir n adiantou nd ele me deu um tapa na cara tao forte q eu juro por Deus q ficou os cinco dedos da mao dele na minha cara fiquei com um galo na cabeça por uma semana, dps diss o eu liguei pra policia minha mae chorou tanto com medo a ele fosse preso pq como ela ia sustentar eu q n tenho pai e as duas filhas dele e ainda ajudar minha vo, disse q n ia colocar outro homen um desconhecido dentro de casa e quando a viatura chegou ngm saiu pra falar com os policial, me lembro de uma vez q ele me bateu tbm q me puxou pelos cabelos e saiu me arrastando, ele me bate igual policia bate em criminoso deve ser pq ele ja foi preso , quando eu era pequena minha mae e ele trabalhava ai eu ficava com o pai dele q teve derrame e meu avo , o pai dele passava a mao em mim me assediava, teve um dia q eu fiquei sozinha com ele e ele me estrupou , lembro como se fosse hj, eu com 8 anos sendo estrupada vcs n sabem o trauma q eu sinto, um dia meu vo viu ele passando a mao em mim mais n falo pra ngm disse pra mim n fica perto dele ,n conto isso pra minha mae pq ela nunca iria acreditar em mim , meu vo ja morreu eu tinha pelo menos ele de prova, so de relatar isso pra vcs eu ja chorei 3 vezes, se e dificil pra vcs q ja São adultas imagina pra mim q tenho 14 anos, sei q e dificil e nenhuma mulher deve passar por isso nunca

Quando o infeliz está dormindo é o momento de jogar óleo fervente nos ouvidos do canalha, isso eu faria com certeza.

Vocês não podem viver dessa forma. Existem um Deus no céu que as amam, amam como ninguém, coloquem os fardos diante dEle e Ele cuidará de vocês.
O amor que você não está recebendo, ele te dará!!

Vocês valem muito mais do q isso. Acreditem! Tenham coragem!FORÇA!! VOCÊS não estão sozinhas. Procurem ajuda.

O Senhor Deus está pronto pra te ajudar. Ore ao Senhor com fé, Ele é o teu socorro...tenha coragem e se assegure a Deus e saia dessa.

Você está certa! Tenha força pra passar por essa fase! Não volte atrás. Busque forças em Deus.

Olá, boa noite. Isso foi uma experiência muito ruim. Não siga adiante. Melhor sofrer por essa escolha de não prosseguir do q seguir adiante

Busque ajuda. Ore ao Senhor pra te livrar disso. Ore com fé

Minha querida vá embora. Não tema a nada, o Senhor é com você. Ore a Deus com fé e não aceite essa situação

Postar um comentário