Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Penitência

Quando os meus olhos se perderem em voos sem pouso, será hora de não ficar. Mas, antes, o deteriorar-se lento.
Primeiro, os fracassos, se instalando gradualmente. As mãos se tornando inúteis, sem saber para que sirvam. A boca esquecendo o mastigar. O corpo se repuxando em reflexos descoordenados. As fraldas colhendo um descontrole indigno. Os cabelos ralos enfeando o rosto inexpressivo. As pernas paralisadas. O banho dado por mãos alheias. Os nomes dos filhos e dos amigos embaralhando-se em idas e vindas cada vez mais idas. As histórias inventadas, as assombrações à luz do dia, os afetos irreconhecíveis. Longas horas de sono ruim. Outras tantas de olhos no teto. As mesmas frases, repetindo-se várias vezes. Um feto encolhendo-se em involução. 
Assim será. Quando tudo em mim for cansaço e desespero, e eu me desintegrar como um corpo estraçalhado por feras. A cada pedaço arrancado, existirei menos pessoa, desfigurada, agonizante. A cada nesga mirrada de lucidez, invocarei um choro. Por mim. Por vocês. Para os deuses. Mas eles não ouvirão. 
Antes, as tentativas. Comprimidos, lâminas, janelas abertas. Opções à inexistência vegetativa. Impedidas por vocês. Como se fosse melhor gastar o dinheiro que não têm, o tempo que não têm, o amor que não têm numa agonia que transforma em raiva e frustração as sobras de sentimento. 
Depois, o afastamento. No quarto, nenhum de vocês culpando-se ou desculpando-se. Apenas uma mulher estranha, sentada a um canto, cuidando de mim. Fim dos hiatos cruéis. Da realidade escassa que aparecia para brincar de adeus. Nevoeiro. Eu já não estarei morando em mim.
Mas até que a impotência aconteça, há coisas bobas a cometer. Como a vida.
Escrever no vidro embaçado das janelas de chuva. Mudar a cor do cabelo. Tomar sorvete de pistache com castanhas. Tropeçar os olhos na lua, contar os paralelepípedos, tomar banho gelado no verão, balançar na rede.
Como mais tarde não haverá lembranças, quero sentir agora tudo o que ainda está em mim. Os abraços que me devo, as madrugadas de conversas estúpidas, as viagens desastradas com amigos imperfeitos. A melancolia dos natais e das páscoas e dos aniversários barulhentos. As bochechas dos bebês, o rabo dos cachorros. As comidas calóricas, a água com bolhas de gás. O chope com dois dedos de colarinho. O uísque com quatro pedras de gelo. Quero falar sobre sexo às gargalhadas. Fazer sexo às gargalhadas. Rezar. Pedir mais tempo para pecar desejos inconfessáveis.
Só então a penitência. Que será longa e minha. Incerta como os olhos perdidos em voos sem pouso. 



Share


Cinthia Kriemler
Formada em Comunicação Social/Relações Públicas pela Universidade de Brasília. Especialista em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social. Começou a escrever em 2007 (para o público), na oficina Desafio dos Escritores, de Marco Antunes. Autora do livro de contos “Para enfim me deitar na minha alma”, projeto aprovado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal — FAC, e do livro de crônicas “Do todo que me cerca”. Participa de duas coletâneas de poesia e de uma de contos. Membro do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e da Rede de Escritoras Brasileiras — REBRA. Carioca. Mora em Brasília há mais de 40 anos. Uma filha e dois cachorros. Todos muito amados.
todo dia 16


10 comentários:

não, não Cinthia, você não foi escrever o texto que eu imaginava e não saía e, ainda mais, este texto sofrido e, ainda mais, este texto soberbo de tão verdadeiro

Foi de arrepiar, Cinthia.! Que espetáculo de texto! Só alguém com sua sensibilidade para captar a agonia-penitência da deterioração da vida, da velhice presa numa cama. Parabéns ao seu talento!

O que dizer desse texto? Mais um soco no estômago da miséria humana. Parabéns pelo talento e pela sensibilidade, Cinthia. Nem sempre eles andam juntos, mas, no seu caso, é difícil dizer qual é o mais forte.

Fátima, Denise, Cecilia e Tatiana: obrigada, amigas!

A Vida... Sofrida, Sofrível, Vivida, e, Vivas à Vida, Vivida... De uma sensibilidade fugaz, capaz, e de uma capacidade estonteante mas marcante, de Paz... Óptimo, obrigado pela partilha Cinthia Kriemler. Réjo Marpa

Belo - e forte - texto! Parabéns!

Precisei de ler segunda vez para apreciar toda a amplitude e profundidade das situações descritas. São avassaladoras as tragédias e as indignidades. “Mas até que a impotência aconteça”, continuemos. Comparadas com a intensidade das degradações, várias experiências da “continuação” parecem frouxas. Como o final. Eu apagaria o parágrafo final ou mudava-o (adaptado) para antes da “continuação”. “Pedir mais tempo para pecar desejos inconfessáveis” parece-me um bom final. E “Penitência” sugere castigo. Um “Degradação” agradava-me mais. Mas é só a minha opinião.

Obrigada, Fábio, Réjo Marpa e Joaquim! É que eu considero o Alzheimer uma penitência mesmo. Castigo. Porque ninguém merece esse tormento.

E antes que eu me esqueça:não tem nada a ver comigo, graças a Deus!

Postar um comentário