Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Dorme bem, amor!





Joaquim Bispo

Leio a notícia e espanto-me: um homem que praticou sexo com uma mulher adormecida foi absolvido, porque alegou que estava em estado de sonambulismo. No fim de uma festa em casa de amigos, a vítima adormeceu num sofá e acordou com um tipo em cima, festejando sozinho à conta dela. Além de ficar espantada também chamou a polícia. A absolvição assentou na opinião de um especialista que asseverou que o acusado sofre de sexsónia, um distúrbio do sono que leva o doente a ter comportamentos sexuais enquanto dorme.
A situação pareceu-me um álibi extraordinário para os maníacos sexuais:
— Nada disso, senhor polícia, eu estava a apalpar aquela menina no metro porque a viagem é longa e adormeci e, como prova este relatório médico, quando adormeço faço tudo como quando estou com a minha namorada na cama;
— Sr. Dr. Juiz, eu fazia emboscadas noturnas a jovens isoladas nas ruas do meu bairro e violava-as, porque me deito cedo e sofro de sexsónia crónica. Como testemunharam os senhores doutores médicos, aqui presentes, eu, quando adormeço, tenho tendência a praticar sexo, dominador, como sempre.
Parece que há outros distúrbios do sono muito bizarros: conduzir a dormir e comer a dormir.
— Carlos, que é feito dos pratos de salgadinhos, para a festa de anos, que deixei aqui no frigorífico ontem à noite?
— Ah, então é por isso que me sabia a bacalhau. Sabes, tenho aquele distúrbio de comer a dormir…
Que fazer? Desde que esteja reconhecido pela medicina, pode sempre dar uma bela absolvição?:
— Meritíssimo Juiz, eu parti a cara àquele condutor, mas não sou culpado. É que eu sofro de uma condição clínica muito rara que se chama «condução adormecida». Aquele palhaço ia tão devagar que devo ter adormecido quando tentava ultrapassá-lo.
Para um observador comum, estes distúrbios — as chamadas parassonias — podem facilmente ser entendidas como farsas, mas são possíveis. A medicina diz que, nestes casos, «as regiões do cérebro devotadas ao pensamento elevado, julgamento e razão ficam desativadas, enquanto se mantêm ativas as áreas dedicadas às funções mais “primitivas” — locomoção, alimentação e sexo.» O indivíduo parece acordado em quase todas as suas manifestações e só alguns indícios fortuitos fazem perceber a situação adormecida do sujeito.
Na sexsónia (parece o nickname da Sónia, uma anunciante escaldante na página dos classificados eróticos), há relatos de parceiros casados que só se aperceberam de que algo não devia estar certo quando o parceiro começou a ressonar ou teve outro comportamento bizarro, em relação ao ato sexual em estado de vigília. Depois de o saberem, há quem aproveite, quem se conforme, e quem deteste, porque os doentes têm tendência a ser um pouco mais brutos que em vigília, inclusive consigo próprios. Nos trinta e um relatos da literatura médica, há o registo de um homem que, adormecido, se masturbava todas as noites violentamente, pelo que o seu pénis se apresentava num estado deplorável. A situação pode ser muito embaraçosa, como a do homem que adormeceu na cadeira do barbeiro e começou a masturbar-se. Curiosamente, os doentes, às vezes, negam a atividade que desenvolveram, porque não têm consciência do que fizeram e não se recordam de nada quando acordam. O homem absolvido no julgamento disse que só acreditou que estivera a fazer sexo porque foi à casa de banho e viu que tinha um preservativo posto…
Custa a engolir, mas a sexsónia é uma situação médica aceite na lei canadiana desde 1995. A ela já se recorreu sete vezes, duas das quais com sucesso. Segundo a lei, se não houve intenção de cometer um crime, não houve crime. Argumenta-se que se um réu cometeu um crime quando pensava que estava a participar num sonho, não deve ser punido, porque, basicamente, tudo não passou de um pensamento e «se a lei punisse as pessoas pelos pensamentos criminosos, muitos de nós estaríamos atrás das grades há muitos anos».
A ofendida naquele caso é que não se conforma e recorreu, convencida, como está, de que foi vítima de um caso inequívoco de violação. Também as associações femininas se mostraram preocupadas com o precedente que representa esta absolvição, em que, mais uma vez, houve vítima mas não houve culpado. Vieram a terreiro lembrar que a situação é facilmente tratável com ansiolíticos como o Clonazepam, e que, devido ao problema que representam para a sociedade (o homem em questão, foi dito em tribunal, já tinha feito sexo a dormir com quatro namoradas), os sexsones deveriam ser colocados sob a vigilância de uma entidade de saúde mental, o que, em certos casos pode significar institucionalização dos doentes. Um site na Internet, dedicado ao assunto, veio mostrar que não são tão poucos como se possa pensar: registou comentários de cerca de mil declarados padecentes.

Bem, enquanto se mantiverem na Internet e acordados…

Share


Joaquim Bispo
Português, reformado, ex-técnico da televisão pública, licenciado tardio em História da Arte. Alimenta um blogue antiamericano desde o assalto ao Iraque e experimenta a escrita de ficção desde 2007, com pontos altos nas oficinas virtuais da revista Samizdat, de Henry Bugalho, e da Câmara dos Deputados do Brasil, de Marco Antunes. Integra várias coletâneas resultantes de concursos literários dos dois lados do Atlântico.
todo dia 25


0 comentários:

Postar um comentário