Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

terça-feira, 15 de abril de 2014

a palhinha


Maria de Fátima


Para quieto com isso, diz ela, e ele naquele prazer de vê-la. Um niquinho de palha, um bocadito seco de alguma erva. Ele a enfiar a palhinha no decote dela. Ele a roçagar-lhe os bicos das maminhas, e ela a desviar-lhe a mão.
Um dia, e depois mais outro, sem mais do que isso: um beijinho de nada, nem língua, nem um mordisco. Assim, aquela coisa, deslavada. Um beijo, uma festinha na perna despida de saia. Só na coxa de fora, que nem pensasse ele em subir à virilha.
Para quieto, dizia ela, e ria-se, desviando-lhe a mão, sacolejando as pernas. E ele entretinha-se naquela brincadeira de roçar-lhe a palhinha nas maminhas.
Hoje, ela destapou-as, assim, num de repente.
Mas nem toques, disse-lhe. Tira daqui a mão, acrescentou, e riu-se, agarotada. Desejosa, foi o que ele pensou, mas não sabia ainda, quase nada.
Desvia essa boca, é o que diz ela, e ele nem tinha sequer pensado o gesto.
A palhinha, dançarica-a, ele, num daqueles piquinhos castanhos, muito escuros. Contorna-lhe o doirado da auréola. Que enorme que é o bico, pensa ele, e cisma. Lamber. Tocar só com a ponta de um dedo. Apertar o biquinho daquele seio que deve ser tão macio.
Para, grita ela, e ele dançaricando a palhinha, e cogitando. Apenas cogitando e nem um gesto mais do que a palhinha saçaricando.
E ela a voltar-se de lado, o rabo a sair-lhe do calção curtinho que alarga mais na perna esquerda. Devia ter o elástico lasso, ou descosera-se e ela nem notara. Fica uma nalga mais gorda do que a outra, e ele jogando a mão, e ela a encolher-se, e grita: podes ficar quieto, e ele nem percebe se o que ela diz é convite, se pedido, se ordem, e fica-lhe no ar o suposto gesto.
Deitados na manta de quadrados, debaixo da nogueira, o ribeiro correndo, manso.
Já tomaram banho, já nadaram, já comeram salada e melancia, o suco a escorrer e ela a deixar que corresse vermelho para dentro do decote, que lhe molhasse, fresco, as duas maminhas, ainda ela as não soltara do fato de florinhas.
Ela a oferecer-lhe, que ele fosse lambê-lo, e a negar-se rindo, rindo.
Ela a tirar as alças, assim num de repente, e ele a querer tocar-lhas, e ela rindo, rindo, retorcendo o corpo que lhe parece, a ele, mais gozo que brincando.
Ela deitada de lado, fingindo-lhe desprezo.
Ela respirando, muito devagarinho, o rabo com uma bochecha mais gorda do que outra saindo do calção, e as maminhas soltas apetecendo.
Ele a beijar-lhe um ombro, a lambê-lo, a afagar-lhe o braço. Ele a roçar-lhe apenas a borda do seio, a afagar-lhe as costas com os lábios, a deslizar uma mão no cabelo molhado. Ele a morder-lhe a orla rosada da orelha.
E ela muito quieta, respirando, e ele a segurar-lhe, devagar, a medo, a nudez rechonchuda da maminha esquerda.
Ele a encostar-se, e ela que se roda inteira.
Ela quase nua, e o céu a dar-se em chuva, bagos grossos, e eles revolteando, nem sabe ele se de maminhas, se de rabo, se de ombro, se de que parte do corpo. Repuxa-lhe, ela, o calção de banho. Segura-lhe entre as mãos o sexo. Num repente, afaga-o como se fora beijo.
Para com isso, está quieta, diz ele, e sabe que mente. Ele espantado dela que ainda sabe tanto ao sabor da melancia, e ela rindo.
Ri-se muito. Dobra o riso, quase em gargalhada. Diverte-se.
Vermelha a boca dela, como se fora fruto a ficar maduro.
As maminhas, soltas, bailam-se, muito virgens, e ele agarra-as, vagaroso, beija-as,  suga cada um dos bicos.
Ele e ela inventando gestos no corpo um do outro, em cima da manta de quadrados, junto ao rio.
Ri-se ela, e ri-se também ele. Riem-se, muito, os dois.
E a chuva a cair. A chuva, muito fresca, a misturar-se aos líquidos dos seus corpos.



(sobre a manta, uma palhinha olha-os)

Share




5 comentários:

Uôu! Não se dá a ler um texto destes a um convalescente; é sadismo. Ainda se lhe rebenta alguma coisa que lhe faça falta. ;)
Erotismo puro. Muito bom!

obrigada, vindo de ti é um elogio dobrado

Um conto erótico sob medida. Dos que provocam calores e a imaginação. A amiga anda com a sensualidade à tona. Muito bom!

não Cinthia, não minha querida! são calores antigos :) é texto escrito há um bom par de anos
tá até dito por um brasileiro no meu blog

E eu aqui de boca aberta. Maria de Fátima você reascendeu em mim calores que pensava mortos para sempre. Muito, muito bom. Erotismo puro

Postar um comentário