Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 25 de julho de 2013

XXXI – A resolução de voltar à América do Sul e o encontro com o astrónomo turco


Joaquim Bispo

[A deambulação sofrida e desencantada das personagens da obra “Cândido” de Voltaire por várias partes do mundo termina no capítulo XXX em Constantinopla, onde o grupo se resigna a viver da agricultura sob o lema: Devemos cultivar nosso jardim. Trabalhemos sem filosofar – é a única maneira de tornar a vida suportável.
Neste pastiche-sequela introduzi um matemático, como forma de homenagear o amigo escritor e matemático Alian, de Curitiba, a quem o texto foi oferecido no natal de 2008.]



Embora tivessem acreditado, durante algum tempo, que a vida e o trabalho na quinta os libertava de três calamidades – o aborrecimento, o vício e a necessidade –, o certo é que Cândido, Pangloss, Alian, Cunegundes e os outros não aguentaram muito tempo aquela vida demasiado rural e preferiram arriscar sujeitar-se às sevícias da necessidade, a fim de voltarem a saborear os estímulos do vício urbano e, sobretudo, livrarem-se da assoberbante prevalência do aborrecimento. Venderam a quinta a um felá que tinha um negócio de hortaliça porta-a-porta, dirigiram-se ao porto de Constantinopla e compraram passagens no cargueiro Payflower que se dirigia à colónia portuguesa do Sacramento, no estuário do Rio da Prata. Tencionavam, a partir desse destino, viajar para norte e, quiçá, voltar a encontrar o Eldorado, de grata memória, ou mesmo Curitiba, que as lendas diziam ser ainda mais fabulosa.
A viagem foi longa e Pangloss entretinha-se a perorar sobre os efeitos e as causas no melhor dos mundos possíveis. Dizia que Deus escrevia direito por linhas tortas, pois, se quisesse que eles se transformassem em amáveis agricultores, não lhes tinha inculcado enfado na alma e calos nas mãos. Cândido aprovava e apalpava o interior das ditas. Alian dizia que Deus era uma criação humana e que portanto era efeito e não causa. E que o livre arbítrio existia, não por maquinação sub-reptícia de um deus mal assumido, mas pela ausência desse mesmo Deus, fosse bondoso, como o mito cristão gosta de o pintar, ou cruel e vingativo como o do Velho Testamento. Cunegundes, enjoada com os balanços do navio, passava a maior parte do tempo dentro duma nebulosa etílica.
A bordo seguia também um matemático e astrónomo turco que raras vezes se via, porque passava as noites no convés a admirar as estrelas. Certa vez, envolveu-se numa troca de opiniões com Alian e Pangloss.
– A grande demanda da minha vida – dizia ele – é conseguir realizar a quadratura do círculo. Estou convencido que em breve a alcançarei.
– Ah, caro amigo – retrucava Alian – temo desiludi-lo, mas tal é impossível. É que Π (Pi) é um número transcendental e como tal não pode ser construído um segmento de reta equivalente, usando somente régua e compasso.
Esta resposta, avançada para o seu tempo, levou a uma longa discussão que seria ocioso transcrever, mas que, duas horas depois, evoluiu para:
– Também hei de provar que Fermat não tinha razão – arrazoava o turco. – A grande demanda da minha vida é encontrar um expoente diferente de 2 que sirva a equação apresentada por ele.
Pangloss, adiantava-se:
– A harmonia pré-estabelecida não pode ser alterada, sem que o mal apareça. Tudo está bem como está.
E outros cumes de elegante argumentação.

Por fim, aportaram à colónia do Sacramento, às primeiras horas de 26 de Dezembro, onde se viviam dias de grande inquietação, pela iminência de mais uma invasão por tropas espanholas. 

Share


Joaquim Bispo
Português, reformado, ex-técnico da televisão pública, licenciado tardio em História da Arte. Alimenta um blogue antiamericano desde o assalto ao Iraque e experimenta a escrita de ficção desde 2007, com pontos altos nas oficinas virtuais da revista Samizdat, de Henry Bugalho, e da Câmara dos Deputados do Brasil, de Marco Antunes. Integra várias coletâneas resultantes de concursos literários dos dois lados do Atlântico.
todo dia 25