Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Anti-Íon


Joaquim Bispo


Um pastiche  (do italiano pasticcio) é uma imitação do estilo de um autor ou artista,
que não visa o plágio, nem a paródia, nem a caricatura.
Pode-se encontrar em todos os domínios literários e artísticos.
Preenche várias funções: de memória, de humor, de homenagem (mais ou menos respeitosa), ou de puro exercício de estilo.
(Wikipédia)





Timandro: Ora vivam, Íon e Clistes! Há tempos que vos não via. Por onde tendes andado?
Íon: Viva! Estivemos nas festas do Epidauro, onde pusemos à prova os nossos dons.
Clistes: Viva!
Timandro: Ah, sim; ouvi dizer que o concurso de rapsodos é muito apreciado e concorrido. Também há concurso de aedos?
Clistes: Sim; e dos mais importantes. Eu concorro sempre.
Timandro: E que tal vos saístes?
Íon: Eu venci o concurso de rapsodos.
Clistes: E eu só perdi para o aedo de Egina. Em onze concorrentes.
Timandro: Então estais de laurel. Fico muito feliz, por vós. Dizei-me: o que vos fez enveredar por essas tão belas ocupações? Qualquer um consegue ser rapsodo ou aedo?
Íon: Não, de modo algum. É o dom com que se nasce. A excelência que ponho nas minhas atuações e que faz chorar os que me ouvem é um dom com que nasci.
Timandro: Ah, sim? Dize-me: já em criança sabias recitar Homero?
Íon: Sim, mas só pequenos trechos. Aos poucos é que fui dominando a extensa obra do génio.
Timandro: Então o dom com que nasceste era pequenino?
Íon: Sim, posso dizer que sim. Felizmente que o meu tio Perilo era um apaixonado por Homero e não descansou enquanto não me pegou o gosto. Recitava-me frequentemente as mais emocionantes passagens da Odisseia.
Timandro: Queres dizer que se não tivesses um tio que te estimulou o gosto pelas epopeias homéricas talvez esse pequeno dom com que nasceste tivesse murchado?
Íon: Nem mais. Estou muito agradecido ao meu tio.
Timandro: De bem pouca valia é um dom que não se usa. Imagina que nasceste com o dom do auriga e que o deixaste estiolar. Como saberias que tinhas nascido com ele?
Íon: Provavelmente, nunca o saberia.
Timandro: Então, é possível que nasçamos com muitos dons que não desenvolvemos e, portanto, nem deles tomamos consciência.
Íon: Assim deve ser, como dizes.
Timandro: E tu, Clistes, nasceste com o dom de fazer e cantar poesia ao som da lira?
Clistes: Depois do que disseste, creio que não; só comecei a gostar do fino vibrar das cordas da lira quando me apaixonei por Magide, filha de Macário. Nessa altura é que a musa se apoderou de mim.
Timandro: Então, segundo Íon, não devias ter dom, porque não nasceste com ele.
Clistes: Tenho, tenho. Componho com facilidade e toco e canto com gosto.
Timandro: Desculpai, se insisto: esse dom que, de uma maneira ou de outra, tendes é que vos levou à vitória, mas também trabalhais para conseguir tais êxitos, presumo, ou o dom é suficiente?
Íon: Não, eu estudo incessantemente Homero. É preciso conhecer o seu pensamento em profundidade e não só decorar-lhe as palavras. E recito partes da Ilíada todos os dias.
Timandro: Queres dizer que nasceste com um dom que foi sendo aperfeiçoado com trabalho!
Íon: Sim, pode-se dizer isso.
Timandro: Então, o que mais contribuiu para te levar à vitória, o trabalho que puseste no estudo ou o dom?
Íon: Ambos. O dom com que nasci – ou que aprendi com o meu tio – forneceu-me o interesse pela representação das epopeias; o trabalho dá-me a competência no conhecimento de Homero. Mas nada disto seria suficiente para empolgar a assistência se não fosse o que Clistes já referiu. Aliás, ainda ontem tive esta mesma conversa com Sócrates que me provou que eu estou fora de mim quando faço emocionar a audiência.
Timandro: Sócrates é sábio.
Íon: Sócrates estranhou que, falando Homero, Hesíodo e outros poetas dos mesmos assuntos – guerra, relações entre os homens e destes com os deuses, e dos deuses entre si, e da genealogia dos heróis e dos deuses – eu só saiba falar e interpretar bem as palavras de Homero e não saiba nem goste de falar dos outros poetas.
Timandro: Por que achas que isso acontece?
Íon: Eu pensava que era porque Homero fala das mesmas coisas, mas muito melhor que os outros poetas, mas Sócrates convenceu-me de outra coisa.
Timandro: E o que disse ele?
Íon: Que se eu sei reconhecer que Homero fala melhor que os outros, mas das mesmas coisas, eu também deveria saber falar bem dos outros poetas.
Timandro: Aparentemente...
Íon: Acontece que não sei falar dos outros e aborrece-me mesmo ouvir falar deles. Ora, Sócrates diz que isso significa que o que eu digo de Homero não advém de conhecimento, mas de outra causa.
Timandro: Sócrates é sábio. Não ignora, certamente, que é possível falar das mesmas coisas mas de modos totalmente distintos, assim como é possível representar Zeus como Fídias o fez, ou como o fazem outros escultores menores.
Íon: E, na verdade, Homero é inexcedível.
Timandro: Não considerou Sócrates que sempre viveste “rodeado de Homero” e que estudas Homero afincadamente e não os outros poetas, e que, por isso, é lógico que o conheças melhor e o prefiras?
Íon: Não. A interpretação dele é a de que estou possuído por uma força divina, quando o recito.
Timandro: Curioso! O caso é tal que seja necessário recorrer a explicações tão potentes?
Íon: Sócrates diz que a mesma musa que inspirou Homero, quando ele compôs a sua obra, transmite a sua influência para mim e de mim para a audiência.
Timandro: A musa! Sócrates é sábio, mas, como ele próprio está sempre a dizer que nada sabe, é natural que muitas vezes se tenha reconhecido em erro e se precate de equívocos futuros. De cada vez que oiço invocar as musas como explicação de alguma coisa humana, lembro-me sempre do mau teatro.
Íon: Como assim?
Timandro: As ações de uma peça devem estar encadeadas numa relação de causa e efeito, de modo que cada uma seja a resultante lógica e necessária dos acontecimentos anteriores. Uma peça assim encadeada tem verosimilhança – os espectadores reveem-se nela, como na vida. Uma má peça, pelo contrário, quando não consegue criar desenlaces consequentes com o nó que a trama enredou, recorre ao deus ex machina, dando um fim abrupto à história, não congruente com o fio da narrativa, o que desagrada sobremaneira aos espectadores.
Íon: A mim agrada-me que, pelo menos em certos momentos, eu seja instrumento do divino.
Timandro: Isso evita-te, certamente, seres desafiado por aqueles que são da mesma opinião que Sócrates. Os que te consideram instrumento do divino poderão travar a inveja com a desculpa de que não se consegue competir com o divino. Por um momento, vislumbrei a possibilidade de Sócrates te invejar.
Íon: Não creio. Mas os teus remoques a Sócrates é que me parece indiciarem alguma dor de cotovelo…
Timandro: Sem dúvida! Quem me dera que o meu filosofar tivesse a acutilância e a profundidade do jeito de filosofar do feioso. Mas, voltando ao nosso tema: e tu, Clistes, também sentes a possessão da musa?
Clistes: Compor poesia é deveras misterioso. Não sei onde vou buscar as palavras e as personagens que me surgem. Acredito que é a musa que mas insufla, como num sopro.
Timandro: Dize-me!: surgem-te palavras e personagens desconhecidas?
Clistes: Não; todas as palavras são por mim conhecidas, mas aparecem-me organizadas de uma maneira tão sensata e harmoniosa que me surpreendo que tenha sido eu a gerá-las, naquele encadeamento. Já as personagens são mais difíceis de caraterizar. Todas elas me são desconhecidas naquela forma.
Timandro: Naquela forma? Já as conheces sob outra máscara?
Clistes: Cada personagem parece-me uma mistura de outras, que conheço das epopeias; de heróis, de deuses, de homens.
Timandro: Então dirias que elas já existiam em ti, como as palavras que referiste? Isso significaria que não houve qualquer “sopro” exterior e que tudo é criado no teu espírito.
Clistes: Sim, mas, nas formas e atributos com que me surgem, são-me totalmente inesperadas.
Íon: Também me surpreendo com as palavras que saem da minha boca, quando estou no estrado. Sócrates disse que os belos louvores que teço a Homero não são devidos a uma techné que pudesse ser atribuída ao meu mérito, mas ao privilégio exterior concedido pela musa; que eu falo sem nada compreender. Senti-me humilhado.
Timandro: Sócrates é o mais sábio filósofo da Grécia, o que não quer dizer que não possa vir a mudar de opinião em relação a algumas das convicções que agora mantém. Há quem diga que a imaginação é “uma amálgama de perceção e julgamento” e que implica sempre a presença da perceção. Não aceitas que a inspiração seja um estado de exaltação emotiva que atinge a alma do poeta que, qual tecedeira a escolher os fios coloridos de lã para compor tapetes sempre diferentes, usa um caráter deste, uma fisionomia daquele, um atributo de outro, para compor uma personagem inesperada?
Clistes: Assim poderá acontecer.
Timandro: Esclarece-me uma dúvida que me assaltou agora. Se estivermos atentos e formos honestos connosco, reparamos que a genealogia dos deuses varia conforme as regiões, como Afrodite, que para uns nasceu de Zeus e Díone, e para outros é filha exclusiva de Urano. A questão é a seguinte: nesses teus momentos de criação, já criaste algum deus ou, ao menos, modificaste os atributos de deuses ou heróis?
Clistes: Envergonho-me de o dizer, mas já. Quando não me lembro bem da história de algum, componho-a com o que me parece melhor. Uma peripécia em que Dioniso é raptado por centauros foi criada por mim. E já criei um deus – Metaro – que é filho de Hefesto e que quando quer vigiar os homens incorpora nas estátuas de bronze.
Timandro: Era o que eu pensava. Não me custa admitir que Hesíodo é que criou a maior parte dos nossos deuses. Há um filósofo em Abdera – Demócrito – que diz que não há deuses nenhuns. No fundo, a nossa vida não se alteraria muito sem a sua existência. Não há dúvida, no entanto, que tornam a nossa vida menos monótona e sempre nos sentimos mais acompanhados, que a solidão é funesta.
Íon: Na verdade; mas cá estamos nós, rapsodos, aedos, poetas, dramaturgos e atores para tornar a vida mais empolgante.
Timandro: Por outro lado, há um abismo entre a situação do artista que considera a sua obra manifestação de uma entidade exterior – e, portanto, nenhuma responsabilidade e mérito tem nela –, e a situação de outro artista que, atuando sem o pressuposto de influências metafísicas, considera a obra sua, com tudo o que isso implica: batalhar por ela, pôr nela todo o seu esforço, não se entregar à preguiça, sabendo que só o seu trabalho a fará emergir. Agora, dize-me, Íon: preferes ser o títere manipulado por uma improvável divindade, ou o autor da admirável arte que move a alma das multidões?
Íon: Se pões as coisas nesse pé…

*

Fonte (emulada na forma e contestada nas teses): PLATÃO, Victor Jabouille (tradução), Íon, Lisboa, Editorial Inquérito, Lda., 1988.


* * *

“Íon”, de Platão

“Íon” é um pequeno livro de Platão (427 a.C. – 347 a.C.), sob a forma de diálogo. Os personagens são Íon, um rapsodo, isto é, um artista que vai às festividades de cada cidade, recitando poemas épicos à população, e Sócrates, o celebrado filósofo da Grécia antiga, especialista em diálogos argutos nos quais, através de perguntas bem dirigidas, leva o interlocutor a refletir, a admitir a fragilidade das próprias opiniões, e a chegar a conclusões corretas, supostamente as teses do próprio Sócrates.
«Nos diálogos ditos socráticos ou da juventude, de que “Íon” faz parte, Platão transmite as ideias e os métodos do Sócrates histórico.» «Do ponto de vista literário e filosófico, são discussões filosóficas com estrutura dramática. Com Platão, adquiriram o estatuto de género literário independente.»
O tema da obra “Íon” gira à volta da origem do talento na interpretação, e da inspiração na génese da poesia. Após a habitual barragem de perguntas, o próprio Íon reconhece que a excelência da sua atuação se dá por inspiração sobrenatural e não por qualquer arte ou ciência próprias, aceitando que também a obra do bom poeta tem a mesma origem, o que menoriza o respetivo trabalho.
Rejeitando a tese do gozo que Platão, em muitos diálogos de juventude, parece ter em «contradizer e ridiculizar as opiniões dos seus adversários», que explicação haverá para que defenda uma ideia ultrapassada pela sua época, e que validade terá a questão no nosso tempo?
Segundo Krishnamurti Jareski:
A inspiração do poeta pelas Musas é admitida sem reservas pela conceção grega da poesia, mas, a partir do «século V a.C., podem ser encontradas referências explícitas ao poeta como poietés (fabricante/poeta), ou seja, possuidor de uma téchne.» «No tempo de Sócrates, os poetas eram denominados como sophoí (sábios), assim como os médicos, engenheiros, entre outros, e a habilidade desses poetas era compreendida como resultante de uma téchne (arte/saber fazer).» «A poesia, assemelhada ao artesanato, seria o produto final de uma ação consciente daquele que logra o adequado ajuste de palavras e sons musicais, à maneira de um arquiteto, sendo o poeta digno de honra e respeito, por conferir imortalidade à glória dos mortais.»
«A tendência da crescente identificação do poeta como um technítes não foi capaz de erradicar o antigo retrato da poesia como uma dádiva divina, e o “Íon” de Platão deve ser visto como uma tomada de posição do filósofo perante essas duas conceções da poesia, que aparentam ser antitéticas.» «Platão rompe parcialmente com as tradicionais conceções de poesia da época» «sustentando a possibilidade de uma ligação direta com as Musas, capaz de anular temporariamente as faculdades intelectivas do homem.»
A pretensa sapiência dos poetas fora examinada por Sócrates, confrontando-a com a de políticos e artesãos, que também tinham reputação de sábios. Verificou, dececionado, que «os poetas eram capazes de dizer muitas coisas belas, mas eram incapazes de prestar contas do que diziam, pois nada sabiam a respeito dos assuntos de seus poemas. Falhavam em interpretar o pensamento (diánoia), que forma a essência da mensagem poética, o que indicava não ser oriunda de um pensamento inteligente. Sócrates concluiu que, assemelhados aos adivinhos e aos profetas, os poetas pronunciavam muitas coisas verdadeiras e belas em suas obras, mas não por sabedoria, e sim por uma espécie de disposição natural (phýsei), um estado de inspiração.»
O “Íon”, de Platão, põe em relevo a oposição entre a pretensa sabedoria do poeta e a então nascente sapiência do filósofo.
A sua autenticidade foi posta em dúvida no séc. XIX. Goethe, em particular, repele a incongruência dos traços dos personagens: Íon, por um lado, de uma tacanhez inefável e, por outro, um Sócrates de uma malevolência pouco habitual.
Vincando a atualidade da questão, «a história da literatura ocidental testemunha o abismo que separa os verdadeiros poetas – capazes de, eventualmente, aliarem força de expressão a uma imensa facilidade descritiva –, daqueles cujas criações deixam transparecer o esforço para lograr fins artísticos preconcebidos.»

*
 Principal sítio citado:
http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/Kinesis/20_KrishnamurtiJareski.pdf




Share


Joaquim Bispo
Português, reformado, ex-técnico da televisão pública, licenciado tardio em História da Arte. Alimenta um blogue antiamericano desde o assalto ao Iraque e experimenta a escrita de ficção desde 2007, com pontos altos nas oficinas virtuais da revista Samizdat, de Henry Bugalho, e da Câmara dos Deputados do Brasil, de Marco Antunes. Integra várias coletâneas resultantes de concursos literários dos dois lados do Atlântico.
todo dia 25


3 comentários:

Joaquim ainda bem que não nasci nem para as artes, nem para a literatura, e que assim posso (?!) diletantar-me de não ter formação de base e nem pachorra hoje em dia para coisas assim maçudas e profundas como são, no meu fraco ver ignorante, os ditos clássicos
bem hajas por seres de outra massa e os trazeres à colacção de espíritos pobres como o meu

Eu fiquei pensando, durante toda a leitura, sobre a razão que levaria você a tanto. Sim, tanto! Um exercício de filosofia que quase — eu disse quase — engana como sendo de lógica linear. Mas então não seria Joaquim! Quando li o último parágrafo, "Vincando a atualidade da questão, a história da literatura ocidental testemunha o abismo que separa os verdadeiros poetas – capazes de, eventualmente, aliarem força de expressão a uma imensa facilidade descritiva –, daqueles cujas criações deixam transparecer o esforço para lograr fins artísticos preconcebidos.", aí sim, voltei à leitura do diálogo (em especial em sua última fala) para ter a certeza de que se tratava mesmo era de um belo sofisma. Bem "a la" Joaquim! Capciosas falas que induzem o leitor a um veredicto cruel: não adianta se escritor popular ou de épicos, não adiantam estratégias de marketing, contam mesmo trabalho, esforço/suor, talento obtido por meio dessa soma (pesquisa, cultura acumulada, trocas, leituras de pontos e contrapontos...). Pelo menos para os que desejam ser para sempre e não apenas durante modismos frenéticos.
Foi o que me passou essa sua realização de primeira! Sou como Fátima, um espírito pobre que se senta para sorver, absorver. Sempre.

Obrigado pelos comentários, Fátima e Cinthia. Um esclarecimento:

O diálogo é um trabalho académico rebelde, resultante de um mestrado de Filosofia – Estética que frequentei em 2010.
Devido às minhas lides literárias, quis fazer um dos trabalhos sobre esse fenómeno tão escorregadio – a inspiração – mas não conseguia encontrar bibliografia. Então a docente indicou-me o “Íon”, mas revoltei-me com as conclusões de Platão, como me revolto de cada vez que encontro quem recorre às fáceis explicações sobrenaturais antes de fazer um esforço de entendimento racional. Então, elaborei um pastiche com conclusões opostas às do original.

Publico-o aqui porque me parece que interessa a todos os que lidam com o fazer literário e junto-lhe um texto informativo sobre o “Íon”, cuja pesquisa, curiosamente, me suscitou o “no entanto” que a Cinthia tão perspicazmente detetou.

Postar um comentário