Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

domingo, 10 de março de 2013

Arte não é o que você pensa


Henry Alfred Bugalho

Em janeiro de 2007, o jornal The Washington Post resolveu fazer um experimento: convidaram um dos maiores violinistas da atualidade para tocar no metrô da capital dos EUA e ver no que dava, e gravaram com uma câmera escondida o resultado.

A expectativa era que o músico e seu violino Stradivarius valendo 3,5 milhões de dólares atraíssem muita gente e que sua apresentação de quase uma hora rendesse uns bons trocados.
Todavia, o desfecho foi bastante diferente do esperado. Quase ninguém parou para ouvi-lo, ele ganhou míseros 32,17 dólares e ergueu-se a indagação: por que quase ninguém foi capaz de reconhecer a habilidade de um prodígio do violino?

O artigo do Post, Pearls Before Breakfast, para quem souber inglês, é longo e discorre sobre a natureza da Arte. Sugere-se que se isto ocorresse na Europa, o público seria maior; uma engraxate brasileira até supõe que os brasileiros teriam sido mais receptivos; e culpou-se inevitavelmente o ritmo frenético do mundo contemporâneo.

No entanto, a Arte não é o que pensamos, nem o que os poetas cantam. A Arte não é uma coisa objetiva e palpável, de fácil determinação, que se possa apontar o dedo e afirmar categoricamente: "isto é uma obra de arte, sem sombra de dúvida".

A Arte é uma questão de contexto, de tempo e espaço. A Arte é uma convenção.

O violinista estava no lugar errado e na hora errada. Ninguém está interessado em ouvir música clássica na passagem de entrada do metrô, aliás, são bem poucos os que apreciam música erudita em nossos dias.
Arranque a obra de arte de seu contexto, neste caso dos grandes salões de concerto, e ela perderá grande parte de sua relevância, a não ser para aqueles que realmente a apreciam e a reconhecem.

Esta divisão, entre o mundo sagrado e profano, ou entre a alta e baixa cultura, existe desde sempre. Selecione qualquer grande pintura em um museu e dependure-a num tapume de uma construção que seu valor imediatamente desaparecerá, e quase qualquer transeunte deixará de identificar sua importância. Imprima qualquer obra de um escritor de renome e distribua em panfletos em esquinas de grandes cidades, e verá que o destino será a lixeira mais próxima.

A Arte é o reconhecimento de determinada criação como Arte, e isto depende de várias instâncias de legitimação, como um museu, um teatro, uma livraria ou uma sala de cinema, e dos críticos, da imprensa e de acadêmicos. Arranque a obra de Arte de seu contexto de legitimação, jogue-a na rua, no domínio do profano, e poucos lhe darão valor.
Mas se você fizer o caminho inverso, como Duchamps que leva um mictório de um banheiro público para um museu, numa crítica evidente ao que é Arte, você também romperá estes limites, dotando de sentido um objeto totalmente ignorado na vida corriqueira.

A qualidade da Arte não é intrínsica, é coletiva. Se houvessem espalhado o rumor que um dos maiores violinistas dos EUA estava tocando no metrô, a situação seria diferente, pois as pessoas tendem a valorizar o que outros valorizam. Se houvessem contratado uma dúzia de figurantes para se acercarem do músico, outros teriam parado para escutá-lo, pois se tanta gente se interessou, é porque deve ser bom.
No fundo, não basta tanto ser competente ou talentoso, é preciso que os outros se convençam disto e que estes convençam também os demais.

E esta é a maior dificuldade de qualquer artista em início de carreira, como atrair a atenção dos pedestres que passam por nós, todos imersos em suas próprias preocupações cotidianas, divididos por tantas outras atrações ao redor?
Como revelar aos outros o valor daquilo a que damos tanto valor, sendo que este valor depende necessariamente do reconhecimento coletivo?

A obra de arte não é o resultado de trabalho de gênios, de sujeitos inspirados, não é evidente e universalmente aceita. É cultural, é localizada, é intangível e temporal. O que é Arte hoje pode não sê-lo amanhã, e só reconhecemos a Arte de ontem graças à instâncias de legitimação que a preservam e que canonizam alguns artistas, enquanto olvidam arbitrariamente outros.

A Arte não é o que você pensa.

Share




1 comentários:

lembrei-me do Timo Muller e the sua "definição" de arte http://www.timodillner.com/ptManifest2.htm.

Postar um comentário