Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A Mosca no Tetraplégico



A Mosca no Tetraplégico

João Vereza



O Tetraplégico já havia aceitado que lhe restara apenas o livre arbítrio e a opinião. Pisque uma vez para sim, duas para não.
No dia da mosca, a janela do quarto aberta. Flores ao lado da cama, as pétalas tremelicam, a brisa e sua liberdade. Vamos, o sopro murmura na pele e levanta o Tetraplégico pelo ar.
Piscou uma vez para sim.
A mosca preta, a mosca zombeteira, entra pelo campo de visão, asas erráticas, asas robóticas. Pousa sua sujeira nas flores, mexe as patinhas na água, na sonda, no soro.
Piscou duas vezes para não.
A enfermeira entra no quarto, gigante de branco, e a mosca zune se afastando. A mulher gira a manivela da cama e levanta o colchão aos trancos. O Tetraplégico e o céu da janela, vejam como é azul, as nuvens caldosas e rechonchudas.    
Uma vez para sim.
Sai a enfermeira. A noite agarra o dia para a caverna. A mosca e seu vulto pontiagudo, verruga voadora. Gira pela cabeça do Tetraplégico. Sai de mim, inseto de abutre, passa daí, avião espião.
Duas vezes para não.
A lâmpada se acende e afugenta o bicho pulguento. A enfermeira de volta para cuidar do paciente, lhe dar banho e alimentar a boca murcha. Coloca-o para dormir, para os sonhos onde pode correr. Puxa a coberta e lê em voz alta um novo capítulo – o herói, sua mocinha, seus corpos se mexendo um para o outro.
Sim.
Ela se retira e apaga a luz, o quarto estala na escuridão. A mosca cruza seu ouvido como moto-serra, socorro!, alguém?, ninguém. O Tetraplégico esperneia em silêncio, os membros molengas e imóveis. Aqui, ali, cadê ela?, fecha os olhos, a mosca, o Tetraplégico, ele a sente, jura, jura que sim. As pernas cabeludas na boca aberta, cócegas nos lábios, um ninho na língua. Até o fim ele se esforça, mas o grito não passa do piscar dos olhos. 

Share




1 comentários:

Magnífico!

Muito talentoso o autor.

Triste esse texto, mas assim é a vida...

Postar um comentário