Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Quotidiano Fantástico – Um Engano Vulgar


Joaquim Bispo

Após o jantar, Edgar desceu para comprar tabaco e aproveitou para tomar uma aguardente.

Só refiro esta ingestão de álcool para tentar entender porque se equivocou de piso, no regresso a casa. Por outro lado, nem isso explica como conseguiu entrar no apartamento por cima do seu.

Certo é que ficou atrapalhado por não reconhecer o espaço. Era amplo, sem divisões. Da penumbra geral, sobressaíam dois grandes retângulos luminosos no chão. Aproximou-se do primeiro e, estupefacto, reconheceu, em baixo, a sua mulher a pintar as unhas dos pés em frente à televisão, como se o pavimento fosse transparente. No outro, vislumbrou a filha na casa de banho, a limpar o rosto em frente ao espelho. Recuou com algum pudor, receando a implícita invasão de privacidade.

Nesse momento, percebeu atrás de si um ténue som de arrastamento. Pouco depois, Edgar engrossava a estatística dos homens que desaparecem depois de saírem para comprar tabaco.

* * *
[Miniconto integrante da antologia do I Concurso de Minicontos Autores S/A – 2013]

Share


Joaquim Bispo
Português, reformado, ex-técnico da televisão pública, licenciado tardio em História da Arte. Alimenta um blogue antiamericano desde o assalto ao Iraque e experimenta a escrita de ficção desde 2007, com pontos altos nas oficinas virtuais da revista Samizdat, de Henry Bugalho, e da Câmara dos Deputados do Brasil, de Marco Antunes. Integra várias coletâneas resultantes de concursos literários dos dois lados do Atlântico.
todo dia 25


4 comentários:

Curto e completo. A frase final, então,é genial.

Sinteticamente sintetizado, o mini-conto, surpreende pelos subentendidos, pela mensagem implícita, completa.

Agradado com o vosso apreço. Obrigado!

Postar um comentário