Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

saída de emergência







no ônibus há tanta gente em pé quanto sentada
estou sentado
entre a janela e uma senhora
de casaco de lã marrom
e detalhes dourados

vejo um carro parado
não choveu
mas suas rodas estão enfiadas numa poça d'água
até quase a metade

vejo uma fazendinha
com cavalos pastando num campo alagado
há um ou dois deles com a água tocando-lhes a pança

(escurece)

pessoas falam ao celular
outras falam entre si
crianças falam sozinhas
ninguém fala com o motorista

no corredor há uma luz azul
fantasmagórica

nas poltronas
luzes amarelas indicam em que números deve-se sentar

sobre a cabeça do motorista
um display mostra que já se passaram dezenove horas e onze minutos do dia de hoje

mas no ônibus respira-se o mesmo ar
e há vários de nós temendo que esteja contaminado pela doença da vez

no pára-brisa
luzes amarelas vêm
luzes vermelhas vão
luzes brancas e alaranjadas estão paradas
à distância
(mas se aproximam
em relação a nós)

alguém explica
a uma criança
o que fazer se o ônibus incendiar
riem
a criança ri
"tem que quebrar a janela, nenê"

"se queimarem a porta e as janelas
vai queimar todo mundo

mãe?"

"vai"
eu penso
e se não for dessa vez
será numa próxima

estamos atolados
estamos todos com água até os joelhos
alguns até a pança
outros já precisam erguer a cabeça para respirar
o ar é infecto
andamos todos juntos
com a água subindo
na iminência de o ônibus pegar fogo
andamos
falando ao telefone
ou uns com os outros
ou sozinhos
a água sobe
e um de nós
está acendendo uma luz acima de si para escrever idiotices
ouvindo gente espirrando e tossindo

(será que eles não veem?)

na escuridão do corredor
sobre oito das poltronas
painéis luzem em vermelho

"saída de emergência"





Share


Volmar Camargo Junior EDITOR DE POESIA
Volmar Camargo Junior, V., nativo de Cruz Alta, ativo em Rio Grande, é poeta, vendedor de livros. professor não praticante, arquivista em formação, pai do Dimitri. Escreveu os blogs Um resto de café frio e O balcão das artes impuras. Escreve o Verbo.

todo dia 08


0 comentários:

Postar um comentário