Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

asseio



Volmar Camargo Junior





as verdades do mundo se escondem
no meio da trama dos fios do tapete
nas teias de uma aranha velha
que se acumulam nos batentes
da porta dessa casa estranha

pobre aranha que nunca roubou
a vida de uma só mariposa

alheias estas ao que o mundo esconde
alheia aquela ao pó que ignora
alheio aquele ainda aos pés que trazem do mundo
somente a verdade

pobres partículas de verdade
em si contém tudo o que há em tudo
- falta-lhes apenas um pingo de vontade
de serem mais do que migalhas
de um mundo infinitamente maior

alheio este às próprias migalhas que o constituem
alheamento, ignorância, verdades,
tapetes empoeirados, teias-de-aranha empoeiradas
e pó
são os bens, o legado desta casa velha

resta viver em meio ao pó
respirá-lo até que adira aos pulmões
e que termine por deixar quem o respira
velho e empoeirado como a habitação

ou removê-lo
deitar fora o tapete sujo
tirar todas as teias-de-aranha - e matar
cada uma delas
e a todas as mariposas
e com baldes e baldes d'água
dar à casa uma aparência clara, limpa e habitável
como só a mais asseada ignorância é capaz


Share


Volmar Camargo Junior EDITOR DE POESIA
Volmar Camargo Junior, V., nativo de Cruz Alta, ativo em Rio Grande, é poeta, vendedor de livros. professor não praticante, arquivista em formação, pai do Dimitri. Escreveu os blogs Um resto de café frio e O balcão das artes impuras. Escreve o Verbo.

todo dia 08


0 comentários:

Postar um comentário