Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 8 de junho de 2009

O Lobo Vermelho (primeira parte)

Por Guinen Plumbeano
(Volmar Camargo Junior)

Avvena é um lugar inapropriado para quem gosta de sol e calor, porque não há um único dia no ano em que não chova. É úmida, cinzenta, encardida. Nas ruas, perambulam pessoas cabisbaixas e tristonhas. São raros os dias festivos, e ainda assim, preenchidos de solenidades. Durante séculos, Avvena foi um quartel gigantesco, e a maior parte da população era de soldados; os que não eram militares trabalhavam para eles, e se lhes impunha um regime de ordem e obediência, o que acabava, enfim, sendo a mesma coisa: todos seguiam um regime militar. Depois que as conquistas ao território minguaram e o exército foi incumbido de proteger as fronteiras, muito distantes do Mar, Avvena tornou-se um pólo industrial, porque tinha algo difícil de encontrar em outras províncias: uma massa de trabalhadores obedientes, histórica e culturalmente incapaz de exigir melhores condições de trabalho. Assim, Avvena passou a ser um atrativo, primeiro para as nascentes indústrias, depois, para pessoas que viviam em situação de pobreza e miséria nas áreas rurais desta mesma província, que vinham em busca de trabalho – ou, pelo menos, de um meio de se sustentar - e por último, para moradores de outras grandes cidades e do interior de outras províncias ao redor do Mar. Avvena inchou, alastrou-se pelo vale que ocupava, tomou a região acidentada que circundava a cidade-quartel, subiu a montanha e hoje é um monstro cinzento, frio e empoeirado, insensível aos seus quatrocentos mil habitantes, e nada convidativa para os visitantes. Eu era um visitante, mas não fui até lá por causa dos atrativos inexistentes da cidade. Não tive muito tempo para me preocupar com o mau-humor do clima avvenino, nem prestar atenção nas chaminés quilométricas, nem nos rostos infelizes que compunham a classe trabalhadora às seis da manhã e às sete da noite. Fui porque tinha um grande interesse na vida de um cidadão ilustre, sobre o qual estive pesquisando desde que aprendi a ler: General Petro Velasturvo, o Lobo Vermelho.

Meu contato físico com Avvena começou na estação de trens. Teria começado antes, se eu estivesse acordado, e teria visto praticamente toda a cidade, de cima, pela janela do vagão: os trilhos fazem um percurso em espiral pelo perímetro da cidade velha, pelas encostas da serra, por sobre a absurda muralha que a circunda. Entretanto, os barbitúricos não recomendados pelo médico me fizeram dormir feito um degrau das escadarias do Farol, e só fui acordado, a muito custo, pelo fiscal do trem, quando já estávamos parados. Fui o último passageiro a descer. Um funcionário do governo, muito prestativo e jovem, viera buscar-me com um veículo oficial, desses carros sofisticados que se vêem pouco na Capital. O rapaz apresentou-se com muita cordialidade, e quase nenhuma formalidade. Chamava-se Platin. Eu teria me enganado se concluísse que todos os avveninos eram como ele. Posteriormente, descobri que Platin era de um lugarejo perdido na imensidão surenha, e que era tão avesso ao modo de viver avvenino quanto eu e outros estrangeiros. O jovem encarregou-se de carregar minha pouca bagagem, apenas duas malas pequenas, rindo da minha falta de cuidado com o frio que costumava fazer, e em poucos minutos, fez comercial de duas lojas de roupas de inverno de conhecidos seus. Convidou-me para entrar no carro, sem nenhuma formalidade especial – não que eu precisasse de qualquer formalidade, apenas achei aquilo estranho e divertido para um lugar que eu sabia ser o mais antipático do mundo. Entrei pela porta lateral, e só então percebi que havia mais alguém lá dentro. Era uma mulher.

— É um prazer, Senhor Plumbeano. Entre. Está muito frio aí — e imediatamente, eu soube de quem se tratava. Era Agatha Pietra Velasturvo, tataraneta e assistente pessoal do General.

Ela não parecia um militar, pelo menos, não estava vestida como um. Ao telefone, sua voz era melodiosa e grave, como a das pessoas que estudam técnica vocal. Em sua presença, tive a impressão de que era uma personagem de rádio-romance, à imagem que eu havia feito, quando criança, de heroínas como Semmpat de Ture ou Felixcia Luna – com a diferença óbvia de que estas não eram humanas. Entretanto, Agatha Velasturvo era, definitivamente, uma pessoa diferente, talvez dotada de uma aura não-humana como a das heroínas de minha imaginação. Lendo a respeito da história pessoal do General Petro, chega-se facilmente à conclusão de que nunca confiara em ninguém, e que sempre fora assessorado por um familiar. Ela, Agatha, estava como sua fiel escudeira desde os primeiros passos. A mim, porém, lembrou-me uma diva do rádio.

Ao longo dos cinco quilômetros entre a estação e o hotel, Agatha expôs-me a situação toda, de modo muito sucinto, claro e objetivo. Em poucas palavras, agendou a primeira entrevista para as sete da manhã em ponto do dia seguinte, durante o desjejum do General. Deixou-me a par do estado de saúde do herói nacional, que já avançava para a casa dos cento e vinte anos. Também deu-me algumas explicações, sem espaço para dúvidas, sobre como referir-me aos tritões na presença do General, porque jamais acatou os acordos de paz assinados mais de cinquenta anos antes. Tampouco considera a confederação das províncias do Mar de Luna uma única nação, e por isso, também é um assunto delicado. Por fim, quando o carro já se encontrava diante das portas do hotel, Agatha estendeu-me a mão, ao que correspondi, recebendo o aperto de mãos mais pesado que já havia recebido na vida. “Amanhã”, disse ela, “Platin virá buscá-lo bem cedo. Não abuse dos barbitúricos dessa vez”. O ângulo dos seus lábios me fez entender que se tratava de uma piada. Talvez, o mais perto que um militar avvenino tenha chegado de uma.

Choveu continuamente durante toda a madrugada. O hotel tinha um sistema de calefação eficaz e moderno, o que me possibilitou uma noite agradável, inevitavelmente sem sono. Dei-me o luxo de pedir para o serviço de quarto levar-me um bule de café e alguns biscoitos, para começar a esboçar minha entrevista sem precisar descer ao restaurante. Enquanto esperava, tentei olhar pela janela, e tudo o que vi foi a fachada da fábrica de botas que ocupava a metade da quadra do outro lado da rua, e duas vezes a altura do hotel. Também não se via naquele quarteirão mais do que a luz de um poste tímido permitia: uma imensa parede de tijolos, uma guarita, um contêiner de lixo abarrotado, uns quantos gatos de rua embolados em uma caixa de madeira que lhes servia de casa. Assim que o relógio do alto da entrada da fábrica marcou meia-noite, um guarda caminhou de uma esquina até a outra. Era um bovineu, que eram muito respeitados na infantaria do exército avvenino, e ainda mais respeitados na guarda municipal. Já estaria aí o assunto para um tratado, a diferença de tratamento dado aos bovineus, começando nas caçadas da Capital, passando pela escravatura, culminando na posição de destaque no exército e na polícia de Avvena. Certamente trataria deles na biografia do General Petro, já que um de seus companheiros no início da vida de soldado, foi Unmonu, que veio a ser herói tanto de seu próprio povo quanto do nosso, e que lhes garantiu a alforria oficial e definitiva, mas não o fim do preconceito. Assim que chegaram o café, os biscoitos e potes com geléias – os avveninos são pouco sociáveis, mas sabem comer bem – tomei meu bloco e uma caneta. Esqueci-me completamente da rua, da chuva fina, do guarda bovineu que caminhava pesada e silenciosamente na calçada em frente, e anotei minhas perguntas.

Amanheceu. Tomei o último gole de um café amargo e frio, e nem conseguia mais olhar para biscoitos. Pude ver Platin e o carro oficial – cor-de-madeira-dourada com detalhes em dourado nas extremidades, nos paralamas e nos faróis dianteiros, luxuoso mesmo para um carro do governo – subindo a rua. O dia não estava muito menos escuro nem menos chuvoso que a madrugada, e Avvena não era mais simpática na claridade pálida do dia. Em uma hora eu estaria dentro da mansão Velasturvo. A toca do abominável Lobo Vermelho.

Share


Volmar Camargo Junior EDITOR DE POESIA
Volmar Camargo Junior, V., nativo de Cruz Alta, ativo em Rio Grande, é poeta, vendedor de livros. professor não praticante, arquivista em formação, pai do Dimitri. Escreveu os blogs Um resto de café frio e O balcão das artes impuras. Escreve o Verbo.

todo dia 08


0 comentários:

Postar um comentário