Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Significantes

Joaquim Bispo

As palavras têm, por vezes, sonoridades e construções ortográficas que sugerem outras, com significados muito diversos. Pode, por isso, usar-se a sonoridade e a entoação para dizer algo que, não ofendendo ninguém, formalmente, contém uma ferroada subjacente.
Um dia, um colega de trabalho chegou dizendo que, no meio duma discussão no autocarro, uma mulher atirou para outra: «Vá para a Bósnia, sua Herzegovina!»
O exemplo foi inspirador, de modo que, uns tempos depois, usei a seguinte arma de arremesso para terminar em beleza um desentendimento no trânsito: «Ó meu caro amigo, sabe o que é que eu lhe digo? – Vodafone!»
O outro ficou uns bons três minutos, de olhos em alvo, a digerir a mensagem, contaram-me depois!

***

Conheci um japonês, de gestos tão bruscos como os dos samurais dos filmes, que se chama Yátá ! A sua esposa, não tão dócil como as gueixas dos filmes, chama-se Komo Yátá?!

***

Ontem vi um livro com o seguinte título: O que fazer depois de morrer

Ora aí está um assunto com o qual devemos preocupar-nos. É, com certeza, fundamental que cada um programe meticulosamente e com antecedência as actividades que vai desenvolver depois de morrer para que, quando chegar a altura, não fique para ali indeciso e enfadado sem saber como ocupar o tempo!

Share


Joaquim Bispo
Português, reformado, ex-técnico da televisão pública, licenciado tardio em História da Arte. Alimenta um blogue antiamericano desde o assalto ao Iraque e experimenta a escrita de ficção desde 2007, com pontos altos nas oficinas virtuais da revista Samizdat, de Henry Bugalho, e da Câmara dos Deputados do Brasil, de Marco Antunes. Integra várias coletâneas resultantes de concursos literários dos dois lados do Atlântico.
todo dia 25


0 comentários:

Postar um comentário