Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Você conhece o Indriso?




 

Volmar Camargo Junior

 

 

Por mais que pareça, Indriso não é nome de gente. Quer dizer... pode até ser, se você é daquelas pessoas que coleciona nomes curiosos para dar aos filhos. Nesse caso, inclua aí em sua lista os nomes Ode, Soneto, Rondó, Quadrinha, Haicai ou, quem sabe, Poetrix. Indriso é, na verdade, uma forma poética.

 

Isidro Iturat, o criador desse inusitado tipo de poema, nasceu na Espanha em 73, é escritor, professor de língua e literatura espanholas. Desde 2005 vive aqui no Brasil, na capital paulista. Segundo o autor, o indriso nasceu quando ele refletia sobre a forma tradicional do soneto e, experimentando, num “processo de condensação estrófica”, escreveu este poema:

 

Luna Menguante

 

El centauro se asoma por la ventana
y la mujer dormida está hablando en sueños.
Llora y ríe, porque un centauro la rapta.

Cabalga en su sueño la mujer dormida,
cabalga en su sueño y es cabalgada.
En la selva, nadie la oye cuando chilla.

Llora y ríe como nunca en su vigilia.

 

El centauro la mira... por la ventana.

 

Pois, na definição teórica de seu criador, o indriso

 

“...es un poema que consta de dos tercetos y dos estrofas de verso único (3-3-1-1). Tolera cualquier tipo de medida en el cómputo silábico, lo que hace de él una forma a la vez fija y dinámica: en el eje vertical, la disposición no variable de la estrofa; en el eje horizontal, las variaciones en la cantidad. Admite además todos los grados y géneros de rima.”

 

            Em bom tupiniquês:

 


O indriso é um poema composto de dois tercetos e duas estrofes de verso único (3-3-1-1), que permite um uso livre da rima e o número de sílabas nos seus versos.

(http://www.indrisos.com/ensayosyarticulos/definition.htm#7)

 

 

Assim como o poetrix, o indriso é uma criatura moderna, a releitura de uma forma tradicional, que, a despeito do grande valor que estas últimas sempre tiveram e continuam tendo, desenvolvem-se sozinhas, percorrem outros caminhos e atraem adeptos. Outra semelhança entre estes dois “entes” é que são precisamente delimitados no espaço-tempo: podemos, inclusive, encontrar com seus criadores – ambos vivem em território tupiniquim. Para o poeta amador medieval, discutir sobre o sonetto com seus criadores devia ser o máximo. Entretanto, a História e a Literatura, e, é claro, estes mesmos poetas, a este século legaram somente as criaturas. Quem sabe, no futuro, dirão de Isidro Iturat algo como na Wikipédia atual dizem de um certo Jacopo da Lentini, a quem alguns atribuem a criação do soneto.

 

            Em tempo, uma coisa que eu adorei foi a origem da nomenclatura: uma menininha de três anos, tentando dizer o nome do Isidro, insistia em chamá-lo “Indriso”. Mais um acaso curioso de um poema que nasceu, ao que parece, por geração espontânea.

 

           

Como eu não resisto a essas novidades (a última rendeu a primeira coletânea poética do pessoal da Oficina e da SAMIZDAT...), durante esse mês vou arriscar alguns indrisos. Na próxima edição do “Laboratório Poético” já sei qual será o cardápio.

 

 

_____________

- Sobre os Indrisos e seu criador, Isidro Iturat, acesse: http://www.indrisos.com. Aqui é possível encontrar a obra El Manantial, a primeira coletânea do autor, inteiramente disponível on-line (http://www.indrisos.com/manantialarchivos/portadamanantial.htm). Além disso, na seção colaborators (http://www.indrisos.com/colaboradores/indicecolaboradoresother.htm), há exemplares em outros idiomas além do espanhol. Inclusive tupiniquês.

- O símbolo no topo do artigo está na página inicial do indrisos.com. Achei tri bonito. 

Share




3 comentários:

oba! vamos aos indrisos, então!

EStou aqui a convite de Volmar e confesso ter amado o Indriso.
Que maravilhosa forma de fazer versos.
Tentarei fazer um depois.
Visitem o http://emporiodocafe.blogspot.com.

Um abraço

Rose

Indriso na Saúde e Política

Indriso de um profissional de Saúde.

A CULTURA DA MORTE. O ABORTO NO BRASIL.

Que 13!
Que agosto!
Que desgosto!

Presidentes ...
Ministros ...
Políticos ...

Mensalão. Petrolão. Baita Corrupção.

Aborto. Brasil. Governo. Trevas. Missão.

***

Artigo inspiração – Jornal O REBATE

http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2015/10/que-13-que-agosto-que-desgosto-sobre-o.html
https://rinconespirita.wordpress.com/dr-luiz-carlos-formiga/

Postar um comentário