Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Poesia Concreta: Soneto


Muito de tudo


É tarde para decidir sobre essas coisas,
Essas que ficam em nós impregnadas,
As sobras do mundo nas estradas,
A poeira acumulada nos sapatos.

É inútil a incerteza dos destinos —
As coisas estariam explicadas
Haveria menos de nada
E tudo seria limitado.

Há muito de tudo,
Há, às toneladas
E é tão pesado.

Por outro lado,
Nessa vida
O que há

É pó.


Share


Volmar Camargo Junior EDITOR DE POESIA
Volmar Camargo Junior, V., nativo de Cruz Alta, ativo em Rio Grande, é poeta, vendedor de livros. professor não praticante, arquivista em formação, pai do Dimitri. Escreveu os blogs Um resto de café frio e O balcão das artes impuras. Escreve o Verbo.

todo dia 08


1 comentários:

menino, que legal ver suas postagens por aqui! muito legal esse soneto que vira... pó! gostei mesmo!

Postar um comentário