Receba Samizdat em seu e-mail

Delivered by FeedBurner

Revista on-line

Participe da próxima edição da Revista SAMIZDAT

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Os três tecelões-de-cabeça-preta

 

À roda do idoso, a criançada, aos poucos, sossega, para escutar a história que ele vai contar.

«Era uma vez três passarinhos tecelões — uns que têm a cabeça preta, mas o corpo todo amarelo — que ainda viviam no ninho dos pais. Já voavam e já se alimentavam sozinhos, mas ainda vinham todos os dias dormir ao ninho. Ao fim de uns meses, o tempo começou a ficar mais frio e a comida foi ficando mais difícil de encontrar, de maneira que os pais dos pequenos tecelões aconselharam-nos a migrar. Abraçaram-nos, com tristeza, e recomendaram-lhes que, lá na terra para onde fossem, cada um construísse uma casa muito bem feita, que fosse confortável e resistisse ao mau tempo e aos inimigos que quisessem comê-los.

Os passarinhos voaram, voaram e, quando chegaram ao distante país para onde tinham migrado, primeiro alimentaram-se e descansaram um pouco, mas depois deram muitas voltas a voar, para ficarem a saber onde havia mais comida e de que materiais de construção dispunham. Antes de começarem a construir, cada um disse como ia fazer:

Vou fazer a minha casa com hastes de palha na ponta de um ramo frágil — declarou Crispim, o mais jovem.»

A miudagem soltou uma gargalhada. Como parecia tonto o Crispim!

«— Vou construir a minha casa com galhos sobre os ramos grossos de uma árvore — declarou Zé Manel, o irmão do meio.»

Nova risada se fez ouvir. Parecia que a história não era estranha à pequenada.

«— Vou construir a minha casa no buraco de um muro de pedra, largo e forte — declarou Leonardo, o mais velho.»

Um rumor de satisfação atravessou a assistência. Leonardo, sim, sabia como construir uma casa para resistir aos sopros de um lobo que quisesse comê-los, como na história dos três porquinhos!

«Assim disseram, assim fizeram. Leonardo não precisou de trabalhar muito; limitou-se a procurar uma cavidade de bom tamanho num muro grosso, deu-lhe uma limpeza e estava pronta. Do seu buraco soltou um chilreio de satisfação. Zé Manel também se limitou a procurar uma árvore forte, com um espaço aconchegado na ligação de dois ramos, trouxe uma boa quantidade de pauzinhos e galhos para atapetar o chão e deitou-se a assobiar, desfrutando o espaço.»

A pequenada parecia estar a preparar-se para desfrutar do insucesso deste construtor de uma casa de madeira.

«Crispim demorou muito tempo a acabar a sua casa. Fez inúmeras viagens ao chão para apanhar palhas e ervas que entrelaçou na ponta de um galho, de maneira a formar um espécie de bola de feno, com uma única entrada. Por fim, assobiou a anunciar a conclusão da obra. Os irmãos vieram ter com ele, mas não ficaram muito contentes com a casa do irmão:

Isto é muito frágil, Crispim! Se vem uma rajada de vento desfaz-te a casa e leva-a pelos ares.

Foram ver a casa de Zé Manel.

Tem uma bela vista, tem uma base sólida, mas não tem telhado. Pede às nuvens de chuva que não passem por aqui! — brincaram.

A última casa era a de Leonardo.

A-ah! Aqui não chove, nem há vento que a leve — aplaudiam os irmãos. — Muito bem!

Apesar das imperfeições, cada um já dormiu em sua casa, nessa noite. Mas, de madrugada, Leonardo, no seu ninho de pedra, ouviu uns ruídos arrastados. Cheio de medo, foi espreitar à abertura. Quase gelou de terror: uma cobra castanha, com duas riscas pretas a todo o comprimento, trepava pacientemente pelas pedras, dirigindo-se para a toca do nosso amiguinho Leonardo. Fugiu dali a sete asas para casa de Zé Manel.

Zé Manel, dá-me guarida, porque uma cobra atacou a minha casa — pediu ele ao irmão.»

O que é guarida, senhor avô? — perguntou um dos pequenos ouvintes.

É abrigo, proteção; um local onde seja possível viver sem perigo — esclareceu ele.

A cobra não podia atacar a casa do Zé Manel? — perguntou outro.

Não sabemos, mas, a árvore era muito grossa e de tronco liso, e talvez a cobra não conseguisse subir.

«De manhã, já esquecidos do susto da noite anterior, puseram-se a brincar naquela casa tão arejada e confortável. A brincadeira atraiu um falcão que passava por ali e desceu velozmente sobre os manos, para os apanhar. Novamente em fuga, só se lembraram de se esconder na casinha de palha de Crispim.

Mano, socorre-nos, porque a casa de pedra de Leonardo foi atacada por uma cobra das pedras e a minha foi atacada por um falcão — pediu Zé Manel.

Mas vocês não a acham muito frágil? — disse Crispim com uma ponta de ironia.»

O que é uma ponta de ironia? — quis saber um dos jovens ouvintes.

É uma espécie de troça — tentou explicar o velho.

«Os irmãos, depois dos sustos que tinham apanhado, acharam que a casa do irmão até tinha coisas boas, que ainda não tinham pensado:

À tua casa não chegam cobras, porque o ramo onde ela está presa é muito fino e elas cairiam, se cá viessem — calculou Leonardo.

E o ramo não aguentaria o peso dos falcões, se eles cá pousassem, nem conseguiriam entrar na casa — raciocinou Zé Manel.

Crispim mandou entrar os manos e eles ficaram admirados e encantados com a casa, por ser tão confortável. Nessa tarde veio uma grande tempestade, mas a chuva não entrava na casinha de palha muito bem entrançada, e o vento fazia-a abanar e rodopiar, mas ela mantinha-se bem presa ao raminho e aguentou a tempestade.

Nunca pensámos que a tua casa fosse a mais bem construída das três. Pusemos-lhe defeitos, mas é a melhor das que construímos. Desculpa o que dissemos! — disse Leonardo. — Vou construir uma como a tua.

Eu também vou construir uma igual — disse Zé Manel. — É mesmo boa.

Na primavera seguinte, foram visitar os pais e contaram as aventuras de como tinham descoberto a casa que era melhor para eles.

Muito bem, filhos! Pode não se acertar à primeira, mas, tendo sempre como primeira preocupação a proteção dos perigos do lugar, sem esquecer o conforto, vê-se que materiais há na zona, experimenta-se, e, quase de certeza, se constrói uma boa casa. Parabéns!

Depois destas palavras, os jovens tecelões e os pais cantaram e dançaram felizes. E a partir de então, todos os tecelões-de-cabeça-preta daquela terra distante passaram a construir as casas como a do Crispim.»

E pronto, acabou a história — concluiu o ancião.

Não é assim! A história não é assim; é com três porquinhos; e a melhor casa é a de pedra — contestou uma das crianças. — E falta o lobo — lembrou outra.

Esta história não é a dos três porquinhos; é a dos três tecelões-de-cabeça-preta. Cada animal tem a sua história, e uma casa de pedra pode ser boa para um porquinho, mas não ser para um tecelão-de-cabeça-preta. E uma casa de galhos pode ser boa para uma cegonha, mas as cegonhas são grandes e não são atacadas pelos pequenos falcões. O Crispim teve sucesso porque puxou pela cabeça e percebeu que uma casinha leve pendurada num raminho era a mais adequada para evitar predadores e aguentar tempestades.

O que é adequada?

E predadores?

Joaquim Bispo

*

Imagem: Ilustração de tecelões e respetivo ninho. Da net.

* * *





domingo, 23 de janeiro de 2022

BELARMINO DO DEPÓSITO

 

 



 

− Pode dar meia-volta, Belarmino, hoje você não trabalha. Vai descansar a carcaça por um bom tempo. Pode até ficar mais bonito, sabia?

Só de ouvir a voz enfadonha do gerente, Belarmino sente um arrepio. É uma aversão que se avoluma a cada encontro. De repente, vem aquela vontade danada de perder a paciência, mas, talvez por intercessão de todos os santos, desvia o corpo e entra na loja. Se o infeliz imaginasse a angústia que o subalterno enfrenta a cada minuto da vida, se ele vestisse a pele do outro por um dia apenas, não seria tão impiedoso. O sorriso mangador, afetado, há muito tempo está entalado na garganta de Belarmino. Uma hora, isso não vai dar certo.

Empurra a porta do escritório:

− Licença, patrão...

− Entra, Belarmino, senta.

− O senhor vai me dispensar?

− Que é isso, homem? Ficou louco? É o seguinte: recebi orientação de que, a partir de hoje, o empregado que tem mais de sessenta anos deve ficar em casa. É exigência trabalhista, essa pandemia traz muito risco. Vamos obedecer, não é, meu velho amigo?

− O senhor que sabe.

− Pode ficar tranquilo, você vai receber o pagamento e a cesta básica na sua casa. Não precisa sair. Nada de correr riscos. Vai acompanhando as notícias, não demora muito e tudo isso passa. Confia em mim?

− Claro que confio, patrão! O senhor é cópia do seu pai, que Deus o tenha... Direito que nem ele.

Segurando a sacola com a marmita ainda morna, e estranhando inverter o percurso àquela hora da manhã, o empregado obedece. Se bem que sente um alívio gigante de saber que poderá ficar em casa, enfurnado. Sem horário, sem compromisso. E, o melhor de tudo, sem exposição.

Bota fé no patrão, ele tem os mesmos olhos mansos do pai. E o velho Deodato lhe traz saudade. Entrou na vida de Belarmino quando este ainda era moço, num tempo em que ele mais a mãe vendiam ovos com a carrocinha de mão. O velho era cliente. E, quando Belarmino ficou só, já madurão, Deodato ofereceu o trabalho na loja. Na loja, não. No depósito, ao lado. Logo o empregado compreendeu a razão de ser colocado lá. Realmente, não era uma figura agradável de ser vista. Isso não foi falado, foi entendido. Sabia que era extremamente feio. Não só feio, era estranho. Desengonçado, excessivamente alto e magro. As pernas compridas se encontravam apenas nos joelhos voltados para dentro, o que lhe conferia um andar arrastado. Não lento, apenas arrastado. E os olhos eram apavorantes, horrendos. Grandes, desmedidos e saltados das órbitas. Mas Belarmino não era mau, nunca foi. Apenas ressabiado, arisco. Resmungão.

Caminhando em direção de casa, sentia novo ânimo. Teria dias e dias para trabalhar com seus carrinhos de brinquedo. Para estimular a sua intenção, avista ripas de madeira descartadas na lixeira da floricultura, do outro lado da rua. Não pestaneja, cruza o asfalto e junta a quantidade que cabe nos imensos braços. Com isso, o estoque de matéria prima estaria reforçado.

O percurso é relativamente curto, menos de hora. Mérito do velho Deodato. Assim que empregou Belarmino, mediou a venda do terreno deixado pela mãe do empregado e que ficava muito distante, com uma casa de fundos, bem mais centralizada, de quatro cômodos amplos e um quintal acolhedor, sombreado por generosa pitangueira. Esse era o reino de Belarmino, sua guarida.

No quarteirão seguinte, avista um camburão da polícia quase atravessado na rua, o que traz desassossego a Belarmino. É um mal-estar que o acomete sempre que vê alguém fardado. Jamais foi abordado, mas a fala corretiva da mãe ressoa na cabeça: “se não fizer a coisa certa, a polícia prende!”. Um verdadeiro pavor. Ainda mais desengonçado e sem querer saber a razão do cerco, Belarmino procura sair de cena pela esquina mais próxima.

Quando abre o portão e caminha pelo corredor, é tomado pelo sentimento de libertação. Como se grilhões dos pés fossem rompidos.  Até pouco tempo, saía de casa ainda escuro, e só retornava quando o sol desaparecia por completo. Era o último a deixar o depósito. Preferia andar na sombra, a escuridão não exigia acanhamento, livrava-o dos olhares de repulsa ou de piedade. Ultimamente, como por milagre, essa preocupação ficou arrefecida. A idade passou a exigir mais tempo de cama, acordava mais tarde, o sono ficara mais esticado. O mudar de calçada ou o horror estampado nos olhos das pessoas que o avistavam não trazia mais o desconforto de antes. Aquele tormento que abalava as ideias sempre que precisava amortecer no peito um gesto de repúdio, a necessidade de assimilar a abominação, tudo isso passou a ser detalhe de somenos importância. Não deixou de machucar, mas a ferida secava instantaneamente. 

Em casa, retira o uniforme, macacão marrom com emblema da loja de material de construção apenas no bolso. Tem vários, três novos e outros bem usados. Cuida deles no final de semana, lavados e passados com desvelo. Agora, ficarão esquecidos por um tempo. Terá início a era do calção. E da montagem de carrinhos de brinquedo. Sua fábrica terá produção acelerada.

Belarmino trabalha bem com artesanato em madeira. Faz caminhões, carriolas, automóveis, tudo com perfeição. Desde sempre, quando buscava ovos para revenda, no mercadão, recolhia ripas para a sua obra. E, repetidamente, ressoava a voz de reprovação da mãe: “isso é coisa de moleque, não é coisa de homem”. De começo, usava apenas canivete, lixa e tachinhas. Mas, com o fazer constante, especializou-se: faz carrinhos tão caprichados que até as rodinhas giram. Também fazia pandorgas, mas parou. Para que fiquem perfeitas, é necessário usar bambu verde. Bambu seco não dá o mesmo envergamento, o voo não fica apurado. Belarmino já não tem a mesma disposição de buscar bambu pelas beiras das estradas, caminhada que, ida e volta, leva meio dia. Então, deixou de lado.

É morador silencioso, não tem bichos de criação. Coloca o rádio sempre em volume baixo, e a televisão é só para os jogos de futebol.

Quando se mudou para a nova casa, percebeu que os muros laterais, instantaneamente, foram erguidos. As janelas ganharam grades, a vizinhança reforçou a segurança. Aborrecia-se quando ouvia, em sussurros, opiniões sobre ele. Pela figura, todos o viam como louco, perigoso. Protegiam-se uns aos outros, as crianças o olhavam de esguelha, amedrontadas. Mas acostumou-se. Isso já não importava mais.

Enquanto transforma os paus em brinquedos, pensa em qual árvore irá colocar o próximo carrinho. Sempre assim. Terminado um trabalho, ajeita-o num saco plástico, desses de supermercado, e dependura em árvores perto de escola, creche, parque. Alguém encontra o brinquedo e uma criança ganha o presente. Claro que tem vontade de entregar nas mãos de um garoto, mas teme assustá-lo. Além de constrangedor, a criança poderia recusar o brinquedo. Nem pensar.

E, então, vem a lembrança dos colegas do depósito. São cinco. Alegres, fortes, dispostos. Não fossem as piadas grosseiras, Belarmino até poderia ser mais chegado. Se bem que, há alguns anos, ele trabalha na parte de distribuição e controle de estoque. Os oito anos de estudo serviram para que tivesse bom entendimento da escrita, e aprendesse rápido todo o processo de entrada e saída do material da loja. O serviço pesado, de carregar e descarregar mercadoria, já não lhe cabia. Apenas comandava. Mas, por mais que evitasse ficar aborrecido com as brincadeiras cruéis dos companheiros, brotava aquele incômodo recorrente quando, das conversas cruzadas, escapava o som de palavras como: mal-acabado, zé bonitinho, belzebu, belafera, zumbi... 

Um dia, quis saber da mãe a razão de ser tão estranho. Perguntou: “mãe, por que eu sou tão feio?”. A mãe, sem buscar o olhar dele, respondeu: “você não é feio, só é muito parecido comigo”. Esta resposta selou tudo. Nunca mais questionou, nunca mais perdeu tempo com essa indagação. Se era parecido com a mãe, seria amado. Ele a amava, outras pessoas a amavam. A mãe também não era bonita. Tinha o mesmo rosto comprido, traços estranhos, braços exageradamente compridos, mas os olhos em nada se igualavam aos dele. Os olhos da mãe eram pacíficos, um tanto vazios, mas serenos. As mãos eram imensas. Belarmino, quando criança, ficava assustado quando via a mãe carregando oito ovos na mão. E pensava que aquela mão poderia dar conta de cobrir, por inteiro, a sua cabeça num afago. Mas nunca soube, não conseguiu medir, não havia afagos. Mesmo com toda estranheza e secura no trato, a mãe era retidão, amparo. Ele também seria.

E Belarmino amava com serenidade, um amar que o tranquilizava. Amava o velho Deodato, e também amava o patrão. Amava a primeira professora, única pessoa, além da mãe, que lhe segurou a mão. Isso quando o ensinou a desenhar as letras. Professora Izabel foi o anjo que procurou minimizar o terror que brotava no peito dos coleguinhas quando estes olhavam para Belarmino. Eles temiam aqueles olhos esbugalhados querendo saltar do rosto, entendiam como olhos de louco. Além do que viam, era o que ouviam: o filho da “oveira” é doido, cuidado com ele! Mas não era. E provar isso foi a luta de toda uma vida.

O pior acontecia quando, na época de calor inclemente, Belarmino não escapava dos surtos de piolho que se alastravam pelas cabeças da molecada da escola. No sol, as lêndeas prateavam a vasta cabeleira encaracolada do menino. E para a mãe, sem saída, só sobrava o raspar da cabeça. E doía. No couro todo ferido com as constantes picadas dos parasitas, a lâmina discorria feito lixa, deixando a pele quase em carne viva. E, como se fosse possível, Belarmino ficava ainda mais assustador. A cabeça estreita e comprida, totalmente disforme, ficava totalmente exposta, perdia o disfarce da cabeleira.

O último domingo de maio amanhece muito mais bonito que de costume. Belarmino completa sessenta e dois anos, acorda disposto. O dia merece um passeio, o sol não está forte.  Olhando no espelho, percebe que o cabelo carece, urgentemente, do cuidado do Lazinho da barbearia. Aliás, em março, quando seria o combinado, declinou do compromisso. Depois disso, a quarentena chegou e a cabeleira só se agigantou. A barba, propositadamente, deixou de aparar desde que não precisou mais ir ao depósito; cuidado desnecessário, não tem compromisso que justifique o sacrifício.  

Ajeita a casa, prepara o arroz e quando ele está ainda secando, desliga o fogo, embala a panela em duas folhas de jornal e guarda no forninho. Aprendeu com a mãe. Fazendo isso, o arroz ficará aquecido e totalmente cozido. Corta os tomates e a cebola, deixa a salada na geladeira. Retira a vasilha de feijão do freezer e coloca sobre a pia. Quando voltar, o almoço será finalizado num instante.

Escolhe a bermuda mais nova, a camiseta tricolor, calça chinelos, ajeita a carteira no bolso com documentos e dinheiro suficiente para, na volta, comprar um frango assado. Se encontrar... Mais uma vez, não era uma figura bonita de se olhar, ainda mais com a profusão de pelos da barba e do cabelo. Sim, era estranho, um quê de assustador.

Antes de sair, o mais importante: coloca cuidadosamente um carrinho de madeira na sacola plástica, mas não sem antes admirar a beleza do brinquedo. Perfeito!

Confere o fogão desligado, janelas fechadas, passa a chave na porta.

Hoje quer andar. Caminha em direção contrária daquela que sempre segue. E tem tanta coisa para olhar. Lugares diferentes, casas diferentes, pessoas diferentes. 

Sente-se tão satisfeito, tão absolutamente em paz, que nem percebe o rosto das pessoas com as quais cruza. Se percebe, não revela. Mas nada mudou. O trocar de calçada, os olhares piedosos, os arroubos de aversão, a apreensão no desviar de corpo, o temor por um ataque. Tudo tão visível até para os menos avisados. Mas Belarmino releva. Hoje não vê. Ou não quer ver.

Depois de mais de hora caminhando, chega numa praça enorme, arborizada, entre o colégio e a igreja.

Com a sacola plástica na mão, senta-se num banco mais isolado. Há muita gente na praça, contrariando as orientações das autoridades. As gangorras não sobem e descem, não há o vaivém dos balanços. A área dos brinquedos está toda abraçada por fitas pretas e amarelas, acesso proibido. Apenas os triciclos das crianças se esbarram. Um amontoado de vozes, gargalhadas e gritos alegres das crianças. Nada de pipoca, sorvete, balões coloridos.

Apenas um menino, infringindo a regra, está na areia. Só ele. Belarmino aperta nas mãos a sacola com o brinquedo. Sente vontade enorme de, pela primeira vez, entregar um brinquedo assim, olhando para a criança. Mas teme que o menino fique assustado, que chore.

Procura um banco mais próximo dele. Precisa de tempo para tomar coragem.

Em nenhum momento percebe o olhar enviesado dos adultos. Nem se preocupa com isso. Está maravilhado. Finalmente irá entregar nas mãos de uma criança um brinquedo feito por ele. Deseja ver o sorriso, sem susto.

Sem que perceba, os adultos começam a se juntar em conversas paralelas. Ele não vê. Aos poucos, as crianças vão sendo levadas pelos pais, pelos avós...  E houve quem acionasse o guarda da praça e, então, uma viatura policial chega.  

Belarmino só percebe algo estranho quando a mãe, bruscamente, retira a criança da areia.

E então vê, na sua frente, o policial com uma arma apontada para o seu peito.

− Você é louco, homem? Como se atreve a chegar perto da criança? O que quer com ela?

− Não, eu não sou louco...

− Largue a sacola no chão e ergue os braços, vamos!

Desesperado, Belarmino obedece. Solta a sacola no chão e começa a erguer os braços. O pavor sem medida quase o paralisa, os braços pesam. Sente a cabeça rodar, pensa na mãe, no velho Deodato, no patrão... Quer ajuda, precisa de ajuda. Mas, ali, não tem ninguém. Atormentado, num repente, gira o corpo e tenta correr. Só escuta um tiro.

 


          Regina Ruth Rincon Caires

 

 

 

 





quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Bichinho

 


Ah, se eu pudesse voltar atrás. Dizem que não se pode chorar pelo leite derramado. Mas o leite, a nossa seiva, entornou pelo fogo quente, abrasador, entre mim e ela. A verdade é que inventei esse diário, com cara de confessionário, para delatar os meus tormentos atuais, já que meus amigos não suportam mais me ouvir. No dia seis de fevereiro, Jussara aprontou a boa: comprou um apetrecho absurdo, incomum, e o apelidou de “o meu bichinho”. Ela falou, com a autoridade de uma pervertida, que o bibelô seria “para conter ou aplacar a sua carência”. Aí eu perdi o tino. “Como assim, para ‘a sua carência’?!”. Ela levava-o para passear pela casa, feito um lindo mascote. Não foram poucas as vezes que o vi no móvel da sala, no armário da cozinha – e, o pior, na mesa de jantar. Como poderia uma senhora casada desfilar com um objeto horroroso, em flagrante crime contra a moral e os bons costumes?! Bem, Jussara Rebouças, a digníssima, não estava nem aí para as minhas impressões. Extrapolava os limites de minha bondade; abusava, essa é a constatação. De fato, eu teria motivos para questionar e mesmo brigar pelo respeito e a honra do nosso lar. Senti-me completamente afrontado, como sendo um santo de gesso, imobilizado, sem vida. O objeto roliço, envergado e comprido, ficava nas vistas de quem tivesse a ousadia de enfrentar a balbúrdia – ou sodomia – que era o nosso quarto; este, nos últimos tempos, servia somente às demandas de Jussara – eu, por leal à minha consciência, dormia na sala, quase sempre. Ela sequer tinha apreço à decrépita de sua mãe, a senhora Augustina, que, quando viu aquele troço, perguntou, a coitada, se era um desses enfeites modernos, e a filha, com a maior cara de pau, confirmou que sim. Não para por aí: a nossa diarista, uma mulher de princípios, idosa e crente, era obrigada a topar, também, com aquela indecência. O que eu fazia, para amenizar o choque, era jogar alguma roupa ou um artefato maior, para que o cobrisse. Mas não havia muita escapatória; dona Leonina catava tudo que estava fora de lugar e colocava onde lhe conviesse – ainda bem que não enfiou o maldito objeto num canto inapropriado. Vergonha mesmo passei quando minha irmã, a Laura, veio nos visitar – numa das duas ou três que o faz por ano. Eu estava atulhado de serviço e me concentrei o dia todo para dar cabo do trabalho. Não discernia coisa alguma, de tão cansado. Aliás, achava a visita de minha irmã algo despropositado e fora de hora; mas, infelizmente, não tive como mudar o fado. Às 16h30min, como combinado, o interfone tocou. O porteiro, seu Desasis, pediu autorização para que deixasse a minha irmã subir – por um segundo pensei se seria conveniente. Laura apareceu toda espalhafatosa, nos mesmíssimos modos de sempre. Trazia uma musse de limão e um bolo Luís Felipe – os doces de que mais gosto. Ela sabe me agradar. Para a cunhada, arreganhou um sorriso antes de entregar-lhe uma “joia”; “uma lembrancinha de Portugal”. Ah, como a Jussara ficou feliz. Não sabia onde colocar a cunhadinha. Logo foi experimentar os brincos e a gargantilha, e brotou na sala, demandando a minha aprovação: “Estou linda, amor?!”. Respondi logicamente que sim, com um certo enfado por ter de participar e presenciar aquela situação toda. Enquanto elas conversavam, eu não conseguia pensar em outra coisa que não fosse me despachar do entulho que atravancava o meu dia – como disse, terrível e custoso. Num momento de distração, Laura se levantou e disse que não precisávamos nos preocupar, que era de casa e que iria se servir. Logicamente concordei. Mas, quando se encaminhava para a cozinha, avistei o objeto do tinhoso em cima da pia. Corri feito um guepardo, ou mais rápido, e bati no troço para que caísse na lateral, entre o fogão e a parede. Não deu muito certo, porque ficou entalado, percebível para olhos curiosos – o caso de minha irmã. Ela disse: “Acho que você derrubou alguma coisa, Lúcio, deixe eu pegar”. “Não, não. É somente uma porcaria que irá para o lixo. Não precisa se preocupar”. “Ah, não, faço questão!”. Sim, ela me afastou com bastante força, meteu a mão no buraco do tatu, sentiu e viu o que não devia. Foi o maior alvoroço; Laura é mais puritana que eu. Ela gritou, apavorada: “O que é isso, Lúcio!? Que pouca vergonha! Eu pensei que andava em casa de gente direta. Assim não dá. Eu me recuso a ficar aqui, nem mais um segundo! Não adianta se explicar!”. Pronto, o estrago estava feito: a bendita espalharia – como de fato sucedeu – para os confins de nossa família moralista, a mais nobre estirpe alencarina. Foi um deus nos acuda. Não sabia onde enfiar a minha cara. E, para completar, a senhora Jussara ria alto e, pelo visto, se deliciava com a situação. Eu tenho para mim que toda essa confusão foi proposital, criada para contrariar e agredir a moral do meu clã. Jussara já havia me confessado que não estava nem aí para o que pensariam; que faria o que bem entendesse, porque teria passado da idade de “dúvidas e frescuras”. Quando a poeira baixou, falei, vomitando toda a ira guardada, que Jussara era canalha, cretina e imbecil; que merecia ser execrada, e que, por mim, deveria se ferrar. Magoada, Jussara pegou a sua malinha, enfiou o maldito objeto e mais uns outros, que nem ao menos sabia de suas existências, e partiu rumo ao infinito incógnito. Hoje vejo que talvez tenha exagerado na repreensão. Ela só queria ser feliz com o seu “bichinho”. Claro, eu não nutria a mínima afeição ao tal utensílio, mas seria capaz de aturá-lo para ter de volta o meu amor. Quem sabe, ela nem precise mais de mim. Pode ser que eu tenha perdido para a minha inabilidade e para a dormência dos instintos. Fracassar para um troço vagabundo de plástico é a minha maior dor. Antes tivesse feito uma dessas cirurgias moderninhas, já que está na moda, e colocado uma prótese no lugar, se era isso que a satisfazia. Ah, excelente ideia, farei esse sacrifício para a glória do meu casamento, como um presente e um pedido de desculpas. Ela vai adorar.





segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Quando as nuvens fazem sexo - poema de Piera Schnaider









                                Quando

                                as nuvens

                                fazem

                                sexo

                                deus até

                                sai

                                de perto

                                um relâmpago

                                basta

                                e começa

                                o universo







Do livro Água Viva, Padê Editorial





                                  





quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

O Jovem e a sua Morte

 

O jovem e a sua Morte

 Um vírus, uma bactéria ou alguma coisa desconhecida atirou Fernando Jorge para o hospital e a seguir para o leito de morte.

O infortúnio atingiu o jovem e promissor modelo. Em cheio, e de um dia para o outro. Foi de repente. Vendia saúde dizia-se à boca cheia. Ainda na véspera, antes de cair à cama, passeou a sua esbelta figura pela passerelle e pelas vistas de um número cada vez maior de admiradoras e de invejosos. Encarnava a figura mítica de um Deus do Olimpo, um Apolo. Ainda muito novo e já o seu porte atlético chamava a atenção, não deixando ninguém indiferente.

Muitas vozes auguravam-lhe um bom futuro, quer na área do cinema ou na passagem de modelos. Estes ou outros futuros desmoronaram-se naquele repente. Agora, ali deitado, aguardava sem saber se a maldita andava por perto ou se ainda estava longe. A única certeza que tinha é que ela já vinha a caminho.

Abandonado pela sorte enfrentava sozinho a inevitabilidade do destino. Para matar o tempo ia desfiando as memória e também as ainda não memórias que, apesar de ainda não terem acontecido, há muito que ele as ia projectando na sua vivência. Sempre fora um sonhador e mesmo com a sinistra espada a pairar sobre a sua cabeça continuava a sonhar, sabendo embora que eram fugidios sonhos. Já nem os tentava agarrar com sempre fizera, porque também eles se tornavam cada vez mais escorregadios. Deixava-os correr à desfilada.

Naquele fatídico 2 de Novembro ouviu a portar ranger e sentiu uma sombria sombra a vir na sua direcção estava ele no começo de um sonho. Parou de sonhar e viu que a intrusa se tinha quedado a sete palmos da sua cabeceira. Conheceu-a de imediato.

− Já me vens buscar? – perguntou-lhe.

− Já. Sei que estás preparado para a longa viagem. – respondeu-lhe Ela

− Como é que tu sabes se não falaste nunca comigo.

− E preciso de te falar? Conheço-te tão bem quanto me conheço a mim. Vivo contigo desde o dia em que nasceste e fui sempre a tua companheira de todos os momentos.

− Como assim?

− Como assim? Eu sou a tua Morte, nasci contigo.

− Então estás bem enganada eu nunca estive totalmente preparado. Há um quê em mim que nunca aceitou a tua maldição. Acho que vens cedo demais. Ainda não te aguardava hoje. Estava à espera de um pouco mais de tempo.

− Que te serve teres um pouco mais de tempo? Já não o vais aproveitar.

− Tenho um sonho entre mãos. Será talvez a minha última tarefa.

− Talvez. – pensas tu.

Um pesado silêncio abateu-se sobre o quarto.

− Porque me escolheste para fazer essa longa viagem? Podias ter escolhido outro mais velho. Esse teria já os seus sonhos cumpridos. Eu ainda tenho muito para dar à vida.

− Não posso escolher outro qualquer, esse direito está-me vedado. Só te posso escolher a ti. Como já te disse… eu sou a tua Morte.

− A minha morte? Então tu não és a mesma para todos? Toda agente morre.

− É verdade, mas cada um tem a sua própria companheira a levá-lo.

− E o que é que te acontece quando eu partir? Ficas sem a tua essência e passas a andar por aí sem qualquer sentido?

− Boa pergunta. Sei que és um jovem inteligente, porque já te acompanho desde que nasceste. Partirmos juntos para fazermos o mesmo caminho. Tu e eu fomos únicos durante a vida e seremos únicos depois de ela acabar.

− Então desapareces comigo. Dito de outra maneira: finas-te ao mesmo tempo que eu.

− É verdade.

− Há várias coisas que eu não percebo. Se desapareces quando eu morrer, porque é que me levas tão cedo. Estás farta da vida ou melhor, estás farta de ser a Morte? Afinal quem decide a hora da de morrer? Porque morrem uns tão cedo e outros vão-se tão tarde?

− Cada uma decide conforme as suas conveniências, o seu gosto de estar mais ou menos tempo, de um mau humor repentino, em suma, depende.

− Queres tu dizer que deixamos este mundo ao acaso de um capricho?

Ouviu-se um silêncio de morte.

− Uma Morte feliz e bem-disposta deixa o seu o mortal viver por muito tempo. Pelo visto eu tive azar e calhou-me na rifa um mau prémio. − continuou o jovem

O silêncio voltou a instalar-se definitivamente no quarto.

− E sabes ao menos para onde vamos? – perguntou o jovem.

− Não. É a primeira vez que vou morrer contigo.

− Então, o melhor é ampararmos um ao outro.

 

 

 





sábado, 8 de janeiro de 2022

A Apressada

 


Margarida nasceu quase uma semana antes da data prevista, caso quase inédito numa sociedade onde a medicina se tornara uma ciência tão exata como a matemática. Um prenúncio certeiro para a personalidade que em breve viria a mostrar.

Mal começou a falar, encurtou prontamente o nome para Marg, passando mais tarde ao ainda mais eficaz Meg. Ao contrário das outras crianças do seu infantário, fazia logo um berreiro se não lhe davam imediatamente o que queria, fosse comida, uma ida ao quarto de banho ou a resposta a uma pergunta. Nunca ouvia uma história sem interromper constantemente quem a contava para saber como acabava. Já mais crescidinha, livros, filmes, lia ou via o início e saltava logo para o fim.

Enfim, o lema da sua vida era definitivamente saltar as partes “aborrecidas” e ir logo para o mais excitante.

Quando nos primeiros anos de escolaridade descobriu a existência dos saltos no tempo, ficou absolutamente extática. Isso apesar da ênfase dada pelos professores à enorme desvantagem que esse sistema acarretava em termos de perda de vida realmente vivida, uma vez que os anos que se pulavam para o futuro ou os que se repetiam no passado contavam como anos de vida biológica.

Mas Meg via apenas a tremenda vantagem de poder saltar as partes más ou simplesmente chatas da existência. Infelizmente, teria de viver os seus primeiros 18 anos de vida de modo totalmente linear, saltar no tempo só estava acessível a adultos.

Mesmo assim podia considerar-se uma sortuda, essa idade tinha baixado continuamente desde o limiar inicial de 50 anos, tendo sido reduzida de 25 para 18 mesmo antes de ela ter nascido. Passou esse para si longuíssimo período num eterno sobressalto, sempre a verificar se não a teriam reduzido de novo.

Mal fez 17 anos inscreveu-se logo na formação temporal, coisa que muitos adiavam ou nem sequer chegavam a fazer por acharem que essa técnica era algo que interessava apenas a certos estudiosos e cientistas. Apesar de achar a maior parte das aulas uma seca total — que lhe interessava saber a ciência por detrás dessa tecnologia ou como esta fora finalmente implementada! — Meg foi das alunas mais cumpridoras, não faltando uma única vez.

Não que prestasse grande atenção ao que era ensinado, exceto quando se tratava de detalhes práticos da sua utilização. E foi das poucas a concluírem o curso, a maioria desistia mal descobria que não podiam realmente viajar ao passado nem ao futuro distante, os saltos que se podiam dar estavam estritamente limitados aos anos reais de vida de cada pessoa. Nada de irem espreitar tecnologias de duzentos anos depois para voltar atrás e ganhar um dinheirão com o que tinham descoberto. Ou poderem conhecer os seus heróis de há uns séculos ou investigarem mistérios antigos por desvendar. Quem quereria repetir a sua vida ou pular anos, apressando a morte? Bom, Meg, é claro!

Chegou finalmente o tão ansiado dia e Meg recebeu o implante que lhe permitiria ter vislumbres do seu futuro e acesso à tecnologia de recuar ou avançar no tempo. Para a família e amigos era óbvio que só o futuro lhe interessaria, mesmo assim tinham esperança que a perda de tempo de vida real servisse de travão a saltos excessivos.

Esperança vã.

Umas meras semanas depois de receber o implante, Meg decidiu que a universidade era uma seca e, sabendo, graças ao seu implante, que teria êxito, pelo menos no seu primeiro ano, e deduzindo daí que seria brilhante no resto do curso, decidiu passar logo ao “depois”. Teve de receber o obrigatório aconselhamento psicológico relativo ao primeiro salto, fartou-se de ouvir histórias de terror que se tinham passado com o “amigo do amigo do conhecido” de familiares e amigos, mas nada disso a demoveu: saltou de imediato 5 anos, os 4 do curso mais um de folga para ter tempo de se instalar a sério no primeiro emprego.

E tal como previra, tinha-se formado com boas notas e conseguira, ainda na universidade, o tipo de emprego de sonho que todos os colegas pretendiam. Satisfeita, instalou-se na sua vida de adulta, trabalhando muito, é certo, nos 6 meses de trabalho obrigatório, mas divertindo-se ainda mais aos fins de semana e no resto do ano.

Mas em breve começou a sentir tédio no emprego. Sabia que para chegar ao topo teria de ir passando por diversos escalões, cada um envolvendo tarefas e aprendizagens específicas, e francamente, inteligente como era achava tudo muito repetitivo e com raros períodos de novidade e excitação.

Começou pois a fazer pequenos saltos aqui e ali, primeiro só os dias em que sabia que nada de interessante se iria passar, depois semanas seguidas e até meses. Sem bem saber como, viveu 10 anos em apenas 10 meses.

A sua enorme frequência de saltos para o futuro chamou a atenção das autoridades, que a forçaram a receber aconselhamento psicológico específico para viciados nessa tecnologia e inúmeros avisos sobre a insensatez do que fazia. Oferecem-lhe até um “relógio da vida” que lhe permitiria ver o tempo real que vivera em relação aos anos de vida que averbara nesse período.

E durante uns tempos pareceu resultar. Como a esmagadora maioria dos seus concidadãos, Meg foi aguentando a lentidão do avançar do tempo, os imensos vales de tédio que separavam alguns picos excitantes, limitando-se a usar até ao limite a capacidade de antever o futuro de modo a tomar o mais possível boas decisões. É claro que nem sempre resultava, às vezes o que parecia uma boa opção era-o apenas durante um tempinho, mostrando depois ter sido desastrosa. Chegou até a perder uma boa parte da fortuna que amealhara à custa do seu bom salário e muitos bónus recebidos quando uma tecnologia em que apostara fortemente provou, afinal, ter efeitos secundários desastrosos.

Parecia que a sua vida entrara finalmente nos eixos quando o amor chegou sob a forma de um colega de trabalho. Apaixonadíssima e sabendo que nada iria acontecer durante o próximo ano, decidiu fazer novo salto no tempo. Optou por um de 3 anos, raciocinando que se corresse bem estariam então juntos, mas que se corresse mal já teria tido tempo de o esquecer.

Após o salto viu-se casada e feliz, num belo e luxuoso apartamento e à espera do primeiro filho. Apesar do tempo perdido considerou que valera bem a pena ter evitado as dúvidas e anseios inevitáveis num namoro, passando diretamente para o fim, para o “viveram felizes para sempre”.

O filho nasceu, a tempo e horas, ao contrário da mãe, e pouco a pouco Meg voltou aos seus velhos hábitos. Mudar fraldas? Que nojo! Um saltinho, problema resolvido. Criança doente? Para quê passar por noites sem dormir quando sabia que iria correr bem? E dos pequenos incómodos com o filho em breve passou ao resto da sua vida: jantares com amigos chatos, pequenas doenças dela ou da família, trabalhos com pouco interesse, enfim tudo o que não a entusiasmasse recebia o mesmo tratamento.

Já nem hesitava, ao primeiro sinal de tédio ou de problemas agia logo. Quanto ao relógio que lhe tinham dado, nem sequer sabia onde estava, supunha que o guardara algures e que um dia apareceria. Que importância tinha? O que contava era que a vida assim era bem mais divertida e com a esperança de vida sempre a aumentar tinha ainda muitos anos pela frente, poderia abrandar quando já fosse velha e bem velha.

Chegou finalmente o dia em que o vislumbre do futuro lhe mostrou a morte dos pais com semanas de diferença e, como se isso não bastasse, um acidente que deixaria o marido a precisar de grandes cuidados durante bem mais do que um ano. Era demais para o seu temperamento, tornava-se imperativo evitar passar por tudo isso.

Para jogar pelo seguro, decidiu dar o seu maior salto desde o namoro: 5 anos.

Mas com grande espanto seu viu que tinha avançado uns meros 15 meses. Pior ainda, quando tentou ver o que viria a seguir, descobriu que nada conseguia vislumbrar. Ou seja, morreria muito em breve e nem sequer sabia quando nem como.

Angustiada, passou os seus últimos dias arrependidíssima de não ter aproveitado melhor a vida, apreciando o chato juntamente com o excitante. Morreu como muitos outros aos 106 anos, ligeiramente acima da esperança média de vida da época, mas com apenas 31 de vida vivida!

Luísa Lopes

Imagem de Okan Akdeniz

<a href="https://www.vecteezy.com/free-photos">Free Stock photos by Vecteezy</a>